EUCLYDES DA CUNHA (2)

Estadão

19 Agosto 2009 | 00h05

Ás 3 horas da madrugada de hontem o Correio da Manhan recebeu a seguinte carta: “Abaixo assignada, em presença das pessoas que com ella firmam o presente documento, declara ser absolutamente falso o depoimento que o dr. Oliveira Alcantara, delegado do 20º districto, simulando a necessidade de contradizer nesse depoimento as declarações prestadas pela abaixo assignada, a 16 do corrente, a obrigou a assignar, nesta data, allegando ser isso necessário ao salvamento da honra de seu finado marido e futuro de seus filhos. Sabendo agora que esse procedimento da referida autoridade visára, somente, desmoralisal-a perante a sociedade, vem, por meio deste, declarar que o seu depoimento legitimo e expontaneo foi prestado a 16 do corrente, onde forma expostos, com toda a verdade, os antecedentes do assassinato, do dr. Digo, de seu marido, dr. Euclydes da Cunha”.
17 de agosto de 1909 – Anna Emilia Solon da Cunha, Romualdo de Mello, Armando Silva, Theotonio de Oliveira. (pág. 8, col. 8)