RIO

Estadão

22 Agosto 2009 | 00h05

Esteve muito concorrida a missa de sétimo dia, celebrada na egreja de S. Francisco de Paula, por intenção de Euclydes da Cunha, a mandado de seu pae, irma e de outros parentes. No centro da nave elevava-se um pequeno cadafalco, rodeado de círios. Depois da missa, o celebrante procedeu á absolvição em torno da peça, sendo cantado nessa occasião o “Libera-me”, com acompanhamento de orgam. A viúva e os filhos de Euclydes não compareceram á ceremonia. (pág. 6, col. 1)