Sexta-feira, 25 de março de 1910

Estadão

25 de março de 2010 | 00h00

 

 

 

1910.03.25_PORTUGAL_pag910

 

O SOCIALISMO NA ALLEMANHA

Desde algum tempo tem pesado consideravelmente na política alleman o elemento socialista.

O partido já hoje fortíssimo, tem o nome de “Social-Democracia” e suas victorias nas eleições mais recentes mostram bem o seu prestigio.(…)

Quaes são as razões deste novo incremento do partido socialista allemão? Quaes as suas conseqüências? Devemos consideral-o como um definitivo triumpho das theorias marxistas?

Toda a historia do socialismo na Allemanha demonstra que o seu sucesso tem sido devido menos ao triumpho do collectivismo doutrinal, do que ao descontentamento provocado no povo por medidas vexatórias ou uma política mal dirigida.(…)

Tudo isso não significa propriamente que o reformismo obteve uma Victoria definitiva, pois que os socialistas allemães continuam a affirmar que para elles as reformas são, não o escopo final, mas uma espécie de palliativo que os fazem esperar “a grande catastrophe”, isto é, a revolução baseada sobre a luta de classes. (…)

O partido da “Social-Democracia” na Allemanha, continuará desse modo a nortear-se pelo opportunismo, até que, pouco a pouco e pela força dos acontecimentos vê, venha a triumphar os seus ideaes.(pág.4)

 

1910.03.25_EUA1_pag910

 

WASHINGTON – O sr. Rinaldo de Lima e Silva, encarregado dos negócios da embaixada do Brasil nesta capital, enviou hontem ás redacções de todos os jornaes que aqui se publicam copias do telegramma que recebera de Barbados, do capitão de mar e guerra Baptista das Neves, commandante do “Dreadnought” Minas Geraes”, pedindo-le agradecer aos ministros dos paizes sul-americanos aqui acreditados as provas de amizade que lhe manifestaram durante a sua permanência nesta cidade.

 

1910.03.25_EUA2_pag910

 

REPUBLICA ARGENTINA

A questão das Orcadas

BUENOS AIRES – “La Argentina” diz que o sr. Figueroa Alcorta, presidente da Republica, encarregou o sr. Paulo Groussac, director da Bivliotheca Nacional, de escrever uma memoria demostrando os direitos da Arghentina sobre as ilhas Orcadas, baseados nos valiosos e abundantes documentos existentes na mesma bibliotheca.

A memoria será entregue á legação britannica, acompanhada de um protesto, redigido em termos amistosos.

-Em Cordoba e Corriente estão sendo preparados manifestações contra a posse das Orcadas pela Inglaterra e á sua reinvidicação pela Argentina. (pág.2)

O telegramma recomenda que o encarregado da embaixada brasileira testemunhe especialmente ao sr. Epitafio Portela, enviado especial e ministro plenipotenciário da Republica Argentina junto ao governo norte-americano, o profundo reconhecimento da officialidade do “Minas Geraes”, pela maneira altamente distincta e amistosa com que a recebeu na legação argentina, na véspera da partida do referido vaso de guerra para a Bahia de Hampton Roads.(pág.2)

 

ALLEMANHA

BERLIM – Em sua edição de hoje, o “Berliner Tageblatt” dá noticia da ordem do collar da “Annunziata”, que o rei Victor Manuel concedeu ao sr. Bethmann_Hollweg, chanceller do Imperio.

Diz aquelle jornal que esta distincção é mais uma prova da sincera cordialidade de relações entre Italia e a Allemanha, visto que o collar da “Annunziata” é concedido raríssimas vezes a pessoas que não sejam chefes de Estado.

-Um communicado official, hoje vindo á publicidade, sobre a visita do sr. Bethmann-Hollweg a Roma releva que a confiança recíproca, entre o governo italiano e o allemão, se mantem immutavel, posto que os homens de governo, com o passar dos annos, não sejam sempre os mesmos.

O mesmo communicado diz que há completa harmonia entre os governos de Roma , Berlim e Vienna, quanto a manutenção do “statu-quo” na Turquia e nos Balkans. (pág.2)

 

1910.03.25_FRANCA_pag910

 

INGLATERRA

LONDRES – Sob a epigraphe “Polotica Brasileira”, o “Economist” publica em sua edição de hoje um artigo substancioso, o qual, tratando da actual situação política interna do Brasil, diz que o resultado official da eleição presidencial de primeiro de março corrente ainda não está confirmado, pois que alguns jornaes do Rio de Janeiro dão victoria de pleito ao sr. Ruy Barbosa, ao passo que outros organs dão como effectivamente eleito o marechal Hermes da Fonseca.

O Congresso Nacional, diz o “Economist”, terá de decidir não só sobre o resultado do pleito, como tambem sobre a elegibilidade do sr. Hermes da Fonseca.

O mesmo jornal transcreve na integra o artigo da Constituição Brasileira, segundo o qual o candidato militar é considerado inelegível.

Fazendo considerações sobre o modo pelo qual foram feitas as eleições, acredita o orgam londrino que o Estado de S.Paulo se conformará com o resultado fraudulento do pleito.

Transcreve, em seguida, o “Economist”, o trecho de um artigo do”Correio Paulistano”, afim de mostrar que os generaes Bormann e Menna Barreto preparava um golpe militar contra o governo do estado de S.Paulo.

-Importante orgam da imprensa londrina receia que se dêm graves perturbações internas no Brasil; mas, quanto ás questões internacionaes, julga que emquanto o sr. barão do Rio Branco estiver dirigindo a política do exterior, não haverá receio de que o marechal Hermes da Fonseca ponha em execução os seus planos bellicosos contra a Republica da Argentina. (pág.3)

 

ECOS AMERICANOS

Numa das suas conferencias em Buenos Aires o grande democrata William J. Bryan, que acaba de nos deixar, pronunciou estas palavras, cujo conhecimento mais importa á Analphabetolandia do que á pátria de Saemiento:

“Lutaes comnosco por meio de vossos productos, nos mercados do mundo. Não tomaes que nos incommodem vossos triumphos legítimos; mas devo advertir-vos de que os melhores productos de uma nação não provêm do solo, nem se manufacturam nas fabricas; o maior, o mais alto producto de um povo é o caracter de seus homens e de suas mulheres, e a fabrica mais admirável não é a que se annuncia pelo fumo de suas chaminés, mas as escolas que recebem matéria prima de inestimável valor, porque é com ella que se fabrica a luz excelsa que assignala o caminho das nações”.

Talvez por delicadeza, o famoso estadista “yankee” não repetiu essas palavras em nossa pátria, onde não seriam comprehendidas. Sómente perguntou ao prefeito do Districto Federal quanto se gastava com as escolas, ao contarem-lhe solicitamente quanto custou o Theatro Municipal…

Que ironia!

P.P.(pág.1)

 

ANNUNCIO

 

1910.03.25_ANEMIA_pag918