Domingo, 17 de abril de 1910

Estadão

17 de abril de 2010 | 00h00

 

 

 

O COMETA DE HALLEY

RIO – O Observatorio Astronomico communicou hoje á imprensa vespertina que o cometa de Halley, que hontem quase não pôde ser observado, foi hoje (16) visto, a olho desarmado, das quatro horas e cincoenta minutos até  ás cinco horas e cincoenta minutos da manhan. O seu brilho augmentou consideravelmente, passando a cauda a ter cerca de dois graus de comprimento e o núcleo a ser de terceiro brilho. O núcleo não é um ponto e sim uma pequena área com contornos um pouco diffusos, de forma circular e de um deametro approximado de dois minutos. De ela em diante qualquer pessoa pode ver o astro pouco acima do horizonte até ás cinco horas da manhan. (pág.4) 

 

1910.04.17_CampeonatodeFoot-Ball_pag188

O 1º team da “Associação Athletica das Palmeiras”, vencedor do campeonato de foot-ball do anno passado, em cujo poder está a taça “Penteado”.

 

RUSSIA

PETERSBURGO – A Duma nacional, na sessão de hontem, rejeitou um projecto apresentado pelos deputados da extrema direita, os quaes, desta forma, queriam interdizer o alistamento dos israelitas no exercito. (pág.4)

 

1910.04.17_MinasGeraesCoura1_pag183

 

Emquanto o “Minas Geraes” , na serena majestade de sua força, deita ferros na Bahia de Guanabara depois de haver agitado a attenção do mundo inteiro em torno do paiz cuja bandeira lhe fluctua no mastro, condemna-se á inactividade essa reliquia da nossa historia, hontem arma tremendo de guerra, instrumento de destruição do inimigo da patria, o “Riachuelo” venerando, em cujo bojo dormem as mais formosas tradições da nossa marinha e palpita a lembrança de toda uma geração de bravos de que hoje sobrevivem alguns mutilados encanecidos cheios de cicatrizes e de condecorações. Quis a iniciativa feliz de alguns brasileiros illustres compensar a marinha nacional da perda dessa unidade, e fez hoje um appelo eloqüente á nação para que todos os seus filhos concorram, trazendo a sua contribuição modesta, para o resultado auspicioso do tentamen.(…) Por occasião da guerra do Paraguay construiu-se, egualmente por uma subscripção nacional, o vaso de guerra “Brasil”, que tantos serviços prestou á campanha. O comitê tem razão para acreditar que sua Idea será enthusiasticamente acolhida em S. Paulo. É que todos já nos habituamos a ver o grande Estado na vanguarda do paiz exemplo vivo da altivez, padrão do progresso e da civilização da nossa cultura. Cabe-lhe o dever de acudir ao appello que se lhe faz, concorrendo com sua generosidade tradicional para lançarmos nos mares brasileiros um substituto do “Riachuelo”, que seja digno do “Minas Geraes”, do “Rio de Janeiro” e do “S.Paulo”  S. (pág.1)

 

O MINISTERIO SONNIN

A Italia atravessa um estranho período de vida política, que se explica somente como triste herança do passado próximo e como difficuldade de apressar a sua completa libertação, para realisar a nova Italia, da qual já se vêm os signaes precursores. Em dezembro de 1908, regressando para a Italia, quando a omnipotencia política de Giolitti tinha chegado ao seu auge, em muitas entrevistas de jornaes, eu fiz uma previsão que pareceu então um disparate. Eu disse que o sr. Giolitti deixaria logo o governo: e disse-o porque, voltando para a Italia, se me apresentou mais evidente o contraste entre o paiz, que trabalha e se esforça para progredir, e o governo de Giolitti, que, á omnipotencia política, alliava a absoluta inércia reformadora. A Italia, há uns dez annos, como um rapaz crescido rapidamente, que se vê obrigado a vestir as roupas curtas e estreitas, de quando ainda era menino. E a Italia, portanto, necessitava e necessita de um governo menos inerte e mais reformador. (…) Por minha convicção, desejo para a Italia que o ministerio Sonnino enverede resolutamente no grande caminho das reformas radicaes e da politica moderna, as quaes, sem mais nada, podem satisfazer ás mais urgentes necessidades do nosso paiz, que pede, e tem o direito de pedir, ao governo, não obstaculos mas socorros aos seus admiraveis esforços de progresso econômico e moral.(…) ENRICO FERRI. (pág.1)

 

O QUE HA DE NOVO

Rio, 15 de abril de 1910. (…)

(…) Será digna da cidade restaurada a estação theatral? É notável o contraste. Emquanto era o Rio de Janeiro aquella velha e feia cidade cheia de traços coloniaes não deixavam de occupar o theatro da rua da Guarda Velha companhias em cujo seio figuravam os nomes de mais prestigio na scena lyrica, e nunca, em anno algum, se privou a população do seu divertimento predilecto.(…) Apparece-nos agora o bravo empresário Sanzone, cheio de coragem e boa vontade e assegura á cidade a temporada de 1910, confiante no êxito artístico de sua companhia, com um elenco attrahente e um programma contendo quatro operas novas, entre as quaes “Tristão e Isolda”, cuja audição virá completar a educação da platéia intelligente e fina que, quase immutavelmente, povoa o Lyrico nas suas noites de arte, na admirável escola de Wagner, da qual não conhece mais do que os “Mestres Cantores” e “Tanhauser”, de que guarda recordação imperecível, quando nol-as deu Mancinelli em superior interpretação. Esta população pobre, que não assegura a duas companhias juntas sequer o resultado financeiro necessário ás suas despesas naturaes, e que deixa vasio o theatro em que representavam De Feraudy, Brandès, Lambert Fils, Duse, Emma Grammatica, Suzane Desprès e tambem-justiça se lhe faça- a sra. Nina Sanzi, não mede sacrifícios quando lhe dão uma boa temporada lyrica e ninguém comprehende a reserva dos empresários de operas, não prehenchendo, annos seguidos, a estação no Rio de Janeiro. (…) (pág.1)

 

ANNUNCIO

 

1910.04.17_CasaFuchs_pag194

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.