Segunda-feira, 18 de abril de 1910

Estadão

18 de abril de 2010 | 00h00

 

 

 

 

1910.04.18_Itarare_pag198

 

CHINA

PEKIN – Continuam a chegar a esta capital, de vários pontos da provincia de Hukkuang, graves e alarmantes noticias sobre as desordens que alli se tem repetido nos últimos dias.

– De Hankau communicam que todas as missões religiosas, que se achavam na província de Hupei, estão abandonando as suas sedes. Constou aqui hoje de manhan que o governador de Hunan, Tsen-Tchun, não tinha sido morto nos conflictos alli havidos, mas que se achava escondido. Mais tarde, porém, esse boato foi desmentido, tendo as autoridades desta capital recebido confirmação da noticia da morte do governador de hunan e de seu filho.

– As tropas, que foram hontem enviadas de Shangai para Hunan, afim de restabelecerem a ordem, alliaram-se aos “boxers”. Receia-se que se declare uma sublevação geral. Os malfeitores colligados já são em numero de vinte e quatro mil. Os “boxers” atearam fogo á cidade de Hunan. Os missionários fugiram, deixando a cidade em chammas. (pág.2)

 

1910.04.18_GrandeOccultismo_pag203

 

RIO

No sabbado ultimo, a bordo do couraçado “Minas Geraes”, na enseada de Abrahão, em Ilha Grande, foi servido um lauto jantar. Foram feitos muitos brindes. O sr. almirante Alexandrino de Alencar saudou o Congresso Nacional, na pessoa dos quatro senadores , Ruy Barbosa, pinheiro Machado, Joaquim Murtinho e Victor Monteiro, que mais trabalharam para a reorganisação da Armada Nacional. Recordou o nome do saudoso presidente Affonso Penna, concluiu por pedir ao sr. Hermes da Fonseca que em seu governo continuasse a propugnar pelo levantamento do nível moral e material da marinha. O sr. Pinheiro Machado respondeu em nome do Congresso Nacional e em seguida usou da palavra o marechal Hermes da Fonseca que disse que cumpriria um dever de patriota assegurando a prosperidade dos elementos de defesa nacional, garantia da soberania do paiz. Hoje pela manhan os srs. Almirante Alexandrino de Alencar e marechal Hermes da Fonseca deixaram o “Minas Geraes”, tomando o “destroyer” “piauhy” e foram visitar as obras de forticação da ponta do Leme. Quando regressaram, ás nove horas da manhan, tomaram outra vez o Minas geraes”, que pouco após levantou ferros. A divisão de “dreadnoought” desenvolveu vinte milhas folgadas. Em frente da ilha Redonda foi feito um exercício de tiro sobre a mesma, com uma bateria de canhões de cento e vinte millimetros. Foram feitos apenas três disparos. Antes de entrar na barra o sr. almirante Alexandrino de Alencar enviou um radiogramma ao sr. Nilo Peçanha, presidente da Republica e ao chefe de estado maior da armada, congratulando-se com ambos.(pág.2)

 

1910.04.18_JoaquimNabuco_pag198

 

NOTAS COMMERCIAES E ESTATISTICAS

(…) A indagação sobre a importância do commercio da Italia no Estado de S. Paulo, baseada nos dados officiaes, mathematicamente exactos, fornecidos pela “Estatistica do Commercio do porto de Santos”, é, sob vários aspectos, interessante e não isenta de ensinamentos, sobretudo para quem não desconhece haver uma relação, de causa e effeito, entre o movimento emigratório e a expansão commercial de um paiz de população intensa como a Italia. O próximo vencimento do “modus vivendi” commercial ítalo-brasileiro (31 de dezembro de 1910) e a necessidade urgente de chegarem os dois paizes a um accôrdo definitivo, tornam de grande actualidade o minucioso estudo da “Camara Italiana de Commercio e Artes”, o qual contem os elementos indispensaveis para o regulamento dos intercâmbios, numa base de recíprocos favores conforme os productos italianos que podem adquirir uma maior expansão entre nós e os principaes productos, nossos, que encontratiam na Italia- seja como mercado de consumo, seja como mercado de transito para o Oriente Europeu- um meio proprio para a sua collocação em vasta escala. (…)(pág.1)

 

1910.04.18_Jundiahy_pag198

 

 

1910.04.18_PERU_pag198

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.