Sabbado, 30 de abril de 1910

Estadão

30 de abril de 2010 | 00h00

 

 

PERÚ

O tratado de limites brasileiro-peruano

LIMA – Os jornaes desta capital inserem despachos telegraphicos do Rio de Janeiro, dando conta da approvação do tratado de limites do Brasil com o Perú. “El Diario”, em brilhante editorial, congratula-se por estar definitivamente terminada a antiga pendência, obstáculo sério para o estreitamento das relações entre os dois paizes. O Brasil é um grande amigo do Perú. Mostrou mais uma vez com exuberância as tendências pacifistas da sua política internacional, favorecendo a solução do litígio, não abusando da sua força como nação mais forte. “El Comercio”, occupando-se largamente do mesmo assumpto, felicita-se e felicita o paiz, porque desappareceram os receios de complicação internacional por esse lado, como succede com a Colombia e o Equador. O Brasil, comprovando as suas tradicionaes sympathias pelo Perú, apressou-se em resolver a pendência dando lição aos outros paizes americanos. Termina “El Comercio” por dizer que o Perú pode continuar a negociar tranquilamente as questões internacionaes porque do Brasil, indubitavelmente a mais poderosa nação da fronteira, nada tem a temer. (pág.3)

Caixa de Conversão

A respeito do magno assumpto, que ora preoccupa todos os espiritos, assim se pronunciou o conselheiro Ruy Barbosa, na sua monumental plataforma, de onde transcrevemos o capitulo intitulado.

O meio circulante e o cambio

A este respeito, se formos capases de tenacidade e vigor, para cortar systematicamente por todos os gastos desnecessários e improductivos, condição acima de todas essencial á nossa regeneração financeira, só nos resta, agora, deixarmo-nos estar no rumo, por onde se acha orientada a solução do problema, aguardando os resultados graduaes da acção dos três elementos, a que se confiou a valorisação do meio circulante e a estabilidade cambial: o fundo de garantia, o de resgate, e a Caixa de Conversão. Se a presidencia actual se encerrar em paz, e em paz começar a outra, se a ordem civil não for substituída pela ordem militar, como sucederá, necessariamente, com a Victoria da candidatura de maio, a attitude que se indica a uma prudente administração financeira, no tocante a este melindroso assumpto, é a de observação, espectativa, respeito aos compromissos assumidos, observância das normas já traçadas. “Das innovações é que nos devemos recear. Pouco nos importa, por agora ao menos, a elevação da taxa cambial. O que nos interessa, é a sua estabilidade.”(…) (pág.3)

 

1910.04.30_AustriaHungria_pag326

 

 

INGLATERRA

A caixa de conversão do Brasil

LONDRES – O “Times”, no seu supplemento financeiro, accupa-se da Caixa de Conversão do Brasil. Diz o importante orgam da imprensa londrina ser possível que o governo brasileiro levante a taxa cambial, quando os depósitos da Caixa de Conversão attingirem a vinte milhões esterlinos, mas pondera que o governo nao se vera obrigado a adoptar esse alvitre “contra o qual se appoe grande parte do commercio brasileiro”. O “Financial News”, em artigo escripto em inglez e portuguez, salienta a actual prosperidade do Brasil, julgando-a perfeitamente estável. (pág.2)

 

1910.04.30_TURQUIA_pag327

 

SENADO FEDERAL

RIO – Na sessão de hoje do Senado foi lido o seguinte telegramma recebido hontem do senado uruguayo: “O senado uruguayo saúda o senado brasileiro pelo acto de justiça e confraternisação sul-americana que acaba de realisar, consagrando com sua sancção unânime o tratado que modifica os limites de ambos os paizes, expressando tambem a sua profunda sympathia para com o nobre povo brasileiro.- Feliciano Vieira presidente do senado uruguayo”. O sr. Quintino Bocayuva, presidente do senado, declarou que, em resposta a esse telegramma, expediu um outro, assim concebido:

“O Senado da Republica Brasileira recebeu com o maior egrado o telegramma que v. exa. Lhe dirigiu, expressando os sentimentos do senado da republica do Uruguay. A approvação unânime do tratadocelebrado com a Republica do Uruguay, ratificando as fronteiras com o Brasil- tratado que v.exa. qualifica como acto de justiça e confraternisação sul-americana, demonstra claramente a serenidade dos sentimentos brasileiros para com o governo e o povo da Republica Oriental do Uruguay- Quintiono Bocayuva, presidente do Senado. (pág.2)

 

DE BRUXELLAS

(…) Alguns dias antes da reunião não havia possibilidade de obter um único lugar livre no entretanto vastíssimo salão do theatro da Monnaie. E o facto explica-se facilmente se se der attenção á suprema habilidade com que o nosso ministro soube organisar toda a sessão, transformando naturalmente, por assim dizer, uma das reuniões sociaes mais brilhantes da “saison” em uma verdadeira “soirée brésilienne”. Tal era o cabeçalho que empregavam os jornaes do dia seguinte nas extensas noticias consagradas á festa, occupando quase todas mais de uma columna da parte editorial. Não há, em tudo que acabamos de escrever, o menor exaggero. Disso facilmente se aperceberão os leitores pelo extracto que vamos fazer da reportagem da “Gazette”, e da “Chronique”, dois orgams quase cincoentenarios da imprensa desta capital. Foi extremamente “Chic”, diz a primeira dessas folhas; toda Bruxellas official ahi se achava e raras vezes temos visto o theatro com tantos corpos constituídos e tão notavelmente representados. (…) (pág.1)

 

ANNUNCIO

 

1910.04.30_TheatroSJose_pag334