Sabbado, 7 de maio de 1910

Estadão

07 de maio de 2010 | 00h00

 

 

 

1910.05.07_Portugal_pag412

 

RIO

O sr. Otto de Alencar, inspector da illuminação publica, approvou as plantas geral e parcial, que acompanham o projecto de reformas da illuminação desta capital. Essas plantas foram executadas naquella inspectoria e já se acham em poder da ligth”, sendo relativas á primeira zona da cidade, comprehendida de Ipanema até o Mangue. Com essa reforma e com a introducção da luz electrica nas vias publicas, a illuminação ficará mista em todo o centro da cidade, nas principaes ruas dos arrabaldes e subúrbios. Nas ruas largas as lâmpadas serão de quinhentas velas cada uma, collocadas em postes ornamentados, eguaes ao typo adoptado na avenida Beira-Mar. Nas ruas largas as lâmpadas serão collocadas com intervallos de cincoenta metros, e nas estreitas, de accordo com as necessidades que se foram observando. A execução do serviço de canalisação será subterrânea nas ruas de calçamento aperfeiçoado em todod o centro da cidade. A “Light” já iniciou o serviço no começo da Avenida do Mangue, próximo ao cães do porto. Já foram lançados os alicerces do novo edifício da fabrica do gaz, que será construído sob fiscalisação do sr. Otto de Alencar. Todo material para a montagem da nova fabrica já se acha naquelle local.(pág.2)

 

1910.05.07_EduardoVII_pag412

O rei Eduardo VII falleceu á meia-noite

N.da R.- Desta triste noticia póde dizer-se, sem exaggero, que abala o mundo. O rei Eduardo era incontestavelmente um soberano universalmente estimado. Muito antes de subir ao throno já o seu nome era pronunciado com sympathia em todos os paizes civilisados. Esse príncipe que, no dizer de um seu intimo, “só fazia sentir a sua hierarchia quando alguém lha desconhecia”, cuja distincção feita de simplicidade e de bom gosto se tornou proverbial, era popularíssimo em pariz. Tanto vale dizer que era uma figura mundial. Ainda príncipe de Galles, Eduardo VII começou a dominar, talvez com mais extensão do que o fizera como rei. Cercado sempre de artistas, de escriptores, de homens políticos de todos os paizes, pois que a sua posição de príncipe herdeiro lhe facilitara constantes viagens, as suas qualidade pessoaes se impuzeram por tal forma, que insensivelmente elle foi impondo a sua autoridade como o supremo arbitro das elegâncias.(…)

 

1910.05.07_Allemanha_pag411

 

TURQUIA

CONSTANTINOPOLA – Em sessão de hontem, da camara dos deputados, Hakky Pachá, grão-vizir, declarou que a actual revolução na Albania tem caracter exclusivamente local, estando o mesmo titular convencido de que a ordem alli será restabelecida promptamente.

Os últimos batalhões de Forizolitch partiram hontem, de manhan, para reforçar a guarnição de Premrend. Espera-se grande resistência por parte dos rebeldes nas collinas de Chernolina. Os albanezes de Dibra recusam reunir-se aos insurrectos. (pág.2)

 

1910.05.07_Nicaragua_pag412

 

A taxa de cambio e a economia nacional- VIII

Fosse o sr. Leopoldo de Bulhõeas representante do estado de S.Paulo ou de algum outro que,como este, se avantajasse na communhão brasileira por sua industria, agricultura ou commercio, certo não trataria com tanto desdém os graves interesses da producção nacional, nem os havia de sacrificar aos planos da colossal especulação que está empenhada na elevação artificial do cambio a 16 dinheiros. E mui poderosos devem ser esses motivos que inspiram ao sr. ministro da fazenda o seu estranho procedimento. Tão imperiosa e ardente actua essa ambição que o sr. Leopoldo de Bulhões se vê reduzido a não poder occultar os esforços que vae pondo em acção. Vêm todos que o seu fito é precipitar o annunciado implemento do limite Maximo dos depósitos da Caixa de Conversão e, com isto, obter o repatriamento das violentas oscillações do cambio, tão saudosas para a agiotagem especuladora quanto mortíferas para a prosperidade econômica e financeira do paiz.(…) . MAC LEOD (pág. 1)

 

ANNUNCIO

 

1910.05.07_Neurosine_pag420

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.