Terça-feira, 29 de novembro de 1910

Estadão

29 de novembro de 2010 | 00h00

 

A REVOLTA NA ARMADA

 

(…) O sr. marechal Hermes, de accordo com os ministros da marinha e da guerra, resolvera atacar na madrugada de sexta-feira, a esquadra revoltosa, lançando mão , para esse fim, dos oito “destroyers”, da torpedeira “Goyaz” e dos navios “Rio Grande do Sul”, “Tymbira”, “Tamoyo” e “Barroso”.

Tudo ficou resolvido, sendo que os officiaes se offereceram para, em caso de recusa provável dos marinheiros guarnecer todos os navios.

A ordem foi transm,itida a muitos officiaes que foram chamados, a toda a pressa, sendo mesmo distribuída a senha de ordem.

Os “destroyers” conservaram-se de fogo accesos e os seus officiaes promptos para o combate.

Por outro lado, ordens severas foram transmittidas aos officiaes, commandantes das forças do exercito e às fortalezas, ainda guarnecidas por forças governistas.

A ultima hora, e com geral surpreza, foi recebida a contra ordem do presidente: nada de combate, aguardemos os acontecimentos, a população nada deverá temer.

(…) Em nenhuma hypotese a cidade do Rio de janeiro podia ser arrazda pelo bombardeio dos reclamantes, porque com a desordem inevitável do combate, os revoltosos concentrariam todos os seus tiros sobre a esquadra do governo, e não teriam em caso algum, nem calma, nem homens para o bombardeio de nossa cidade.

Por tanto, a idea humanitária da salvação da cidade deve ser abanadonada.

Os revoltosos não poderiam, em hypotese alguma, vencer a esquadra do governo, composta de navios velozes e muito bem guarnecidos.

Os officiaes briosos da marinha, todos sem excepção, receberam a ordem de ataque com grande sympathia e enthusiasmo. A honra e o brilho da officialidade brasileira estaria, deste modo, salva qualquer que fosse o resultado do combate.(…)

Conhecida a decisão do governo, ordenando a inércia dos nossos briosos officiaes, aindignação explodiu expontanea e surda.No exercito, idêntico effeito causou a contra-ordem do sr. presidente da Republica .

O Club Militar lavrou um solenne protesto e propoz conservar a bandeira nacional a meia haste em crope, por oito dias(…) os officiaes eram unânimes em condemnar a amnistia decretada pelo Congresso e sancionada pelo marechal presidente: “ Estava prepardo o ataque. Por que não atacamos? Essa historia de inexpugnabilidade dos navios precisa ser bem comprehendida. Não existe inexpugnabilidade absoluta.(…)

O governo foi fraco, e transformou a nossa actual posição em uma situação critica e insustentável. O sr. marechal Hermes  preferiu sacrificar a honra da officialidade da marinha brasileira, os prejuízos materiaes e ao sacrifício de algumas centenas de vidas. Podemos, nós officiaes, applaudir esta resolução do presidente da Republica?

Não, não podemos e não devemos. O nosso dever é a obediência à essa ordem, mas o nosso applauso nunca será para ella. (…)”. (pág.3)

 

 

 

 

ALLEMANHA

 

A causa da revolta dos marinheiros brasileiros- A imprensa franceza e alleman

BERLIM, 28 (D.)- A imprensa alleman mostra-se muito infignada com a carta, publicada hontem por “Le Matin”, que a attribuiu a um brasileiro, e em que se affirmava que a revolta dos marinheiros da armada brasileira fora causada pelos castigos corporaes, adoptados no Brasil, que teria seguido o exemplo da Allemanha.

Tal affirmação, porém, não tem fundamento- e é contra isso que os jornaes se mostram indignados- porque não há applicações de castigos corporaes, nem no exercito, nem na armada da Allemanha. (pág.1)

 

 

 

INGLATERRA

A defesa do Brasil feita pelo “Financier”

LONDRES, 28 (H.)- O “Financier” , em editorial, rebate as insinuações feitas pela imprensa hostil ao Brasil, a propósito da revolta dos marinheiros dos navios de guerra, demonstrando ter sido um movimento destituído de caracter político.

Lembra a extraordinário prosperidade do paiz nos últimos annos; diz que o governo do Brasil merece inteira confiança dos portadores de seus títulos e que o motim naval não prejudica absolutamente o crédito e o progresso do paiz que é prospero demais para que se possam temer os prejuízos da revolta. Opina que o governo é bastante forte e podia, se quisesse, resistir às imposições dos amotinados. (pág.1)

 

 

 

INGLATERRA

 

A campanha a favor do “home-rule”

LONDRES, 28 (D.)- O sr. John Redmond, chefe dos nacionalistas irlandezes, pronunciou um discurso, dizendo que os lords são o único obstáculo para a obtenção do “home-rule” irlandez.

Disse mais que os lords opprimiram os irlandezes, deixando-os morrer á fome; que seus crimes bradam por vingança; que os irlandezes não querem criar marinha nem exercito, para invadirem a Inglaterra, nem querem estabelecer relações diplomáticas com as potencias. Os receios dos protestantes também não tem fundamento. (pág.1)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.