Sexta-feira, 27 de janeiro de 1911

Estadão

27 de janeiro de 2011 | 00h00

 

Cecil Garce, o aviador inglez que, ao atravessar a Mancha, de Douvres em direcção à  Belgica, se desviou do seu rumo e desappareceu nas alturas do Mar Negro

 

 

 

 

GRAN-BRETANHA

A policia ingleza e os anarchistas

Em plena cidade de Londres desenrolou-se no dia 3 de janeiro um drama sangrento que causou a mais viva impressão não só em Inglaterra mas também em toda a Europa.

Cerca de mil policias rodearam a casa em que se refugiavam indivíduos accusados do assassínio de três guardas e, depois de haverem solicitado o concurso da infantaria e da artilharia, deixaram que a casa ardesse, devorando nas suas chamas as pessoas que nella se encontravam.

O ministro do interior, Winston Churchill, a quem a principio se attribuiu a iniciativa do incêndio da casas, engeitou quaesquer responsabilidades nesse facto, affirmando terem sido os próprios refugiados quem lançaram fogo ao prédio.

A tragédia de Sidney Street é o desfecho do caso de Houndsditch que fez tanto barulho na segunda quinzena de dezembro. Na noite de 16 desse mez, uns policiaes, chamadas para prenderem gatunos que tentaram roubar uma joalheria, foram assaltados por bandidos que se puseram em fuga. Tres policiaes ficaram mortos e dois gravemente feridos. No dia seguinte foi encontrado numa casa próxima um homem mortalmente ferido com um tiro de revolver nas costas. O inquérito demonstrou que esse individuo pertencia ao bando dos salteadores e uqe fora accidentalmente ferido pelos seus cúmplices ou voluntariamente assassinado por elles para se assegurarem do seu silencio. A poicia prendeu as pessoas susceptíveis de fornecer informações sobre o defunto e interrogou especialmente uma russa chamada Rosa Selinsky e que estava à sua cabeceira. A russa declarou que, quando passava a noite em casa de uma amiga foram por curiosidade ver de que se tratava e deparou-se-lhes um homeme banahado em sangue, motivo por que correu a chamar um medico.

A policia não acreditou nesta historia, pensando bem que a russa conhecia o assassinado. A busca feita na casa conduziu à descoberta de um grande numero de papéis interessantes que puzeram os “dectatives” numa nova pista. O individuo mortalmente ferido estava em relações íntimas com anarchistas russos.

Foram por isso ordenadas as prisões de três suspeitos conhecidos pelos nomes de Fritz, russo, de 25 annos, ferreiro; Pedro o Pintor, de cerca de 30 annos, provavelmente russo, o Yurka , de 21 annos, também russo. Na manhan de 17 de dezembro, todas as estações ferro-viarias de Londres estavam vigiadas. Os culpados poderiam permanecer occultos no East End. A policia cercou o bairro suspeito e começou as suas buscas. A 28 de dezembro, no Golden Street foi encontrado um verdadeiro arsenal de bombas e revolveres e o proprietário do prédio reconheceu na photographia do amante de Rosa Selinsky o retrato de um locatário da sua casa de nome Muromstef. Este perigoso anarchista tinha pois mais de um domicilio e o dono da casa não notára a sua ausência após o dia 16, porque o locatário costumava sair de Londres amiudadas vezes.

As investigações policiaes confirmaram as primitivas suspeitas e estabeleceu-se um premio pecuniário para quem denunciasse os assassinos dos policiaes. Não faltaram as informações exactas. Na noite de 3 de janeiro ordeenou-se aos habitantes da casa de Sidney Street, em cujo terceiro andar os criminosos estavam deitados, que a evacuassem. Pelas quatro horas da manhan, os agentes acompanhados por um inspector subiram a escada, e , como lhes não abrissem a porta do referido terceiro andar, arrombaram-n’a , respondendo os malfeitores a tiro. Um policialficou logo morto. Isolados no prédio, os criminosos barricaram-se e organizaram a defesa.

A casa era, no entretanto, cercada bem como todo o bairro por mais de 700 homens, não cessando os malfeitores de fazer fogo sobre a policia e a tropa que por seu turno crivaram de balas o edifício. Milhares de pessoas, entre as quaes se viam os numerosíssimos o

Milhares de pessoas entre as quaes se viam numerosíssimos orientaes que habitam o bairro, presenceavam o espectaculo. A’s dez horas da manhan chegou o batalhão da tropa de linha que foi acclamado com enthusiasmo. Ao meio-dia o meia hora, foram chamados novos reforços e o local semelhava um campo do batalha. O tiroteio de parte a parte foi violento.

Por ordem dos “déctetives”,  como cessasseo fogo dos criminosos, colIocou-se à janella de um dos predios fronteiros um manequim com o uniforme policial. Dez minutos depois tinha sido varado por dezessete balas. Notando-se a dif?culdade de deduzir dos sitiados, mandou-se, cerca de hora e meia, que avançassem os canhões “Maxin” para demolir a casa e assim aniquiilar os seus moradores. Nessa occasião saiu de todos as boccas o mesmo grito: – Fogo! -na verdade o predio numero100 estava. em chammas. O bombei-ros compareceram, mas não lhes foi permittido prestar os seus serviços.Os sitiados ainda surgiram à portada da entrada, mas logo desappareceram como que por encanto.

Os progressos do incendio foram rápidos. Os tiros dos anarchistas cessaram finalmente e o tecto da casa abateu com formidável estrondo. Os bombeiros trataram do evitar a propagação do fogo aos prédios vizinhos e às duas horas  e meia o incêndio estava dominado, não sem que seis

Desses beneméritos  ficassem gravemente feridos. O ministro do interior achava-se no local desde o meio-dia.Nos escombros fumegantes foram encontrados  tres cadaveress, dois dos quaes se suppuzeram ser os de Fritz e de Pedro o Pintor. Ambos, horrivelmente

queimados, tinham ferimentos produzidos  por armas do fogo, não podendo  averiguar-se  Iogo se os criminosos se suicidaram ou foram attingidos pelo tiroteio da policia e da tropa.

 

 

 

 

GRAN-BRETANHA

Congresso hinú-  O congresso nacional hindú. cujas sessões annuaes se  acabam do encerrar em Allahabad, parece não ter despertado exteriormente o apaixonado, interesse que despertaram as sessões precedentes. A razão disto  parece ser que as reformas do anno  passado, amplioudo as attribuições dos diverso; conselhos hindus em que tomam parteos indígenas, diminuíram a importância deste congresso sem caracter representativo.

A para das manifestações mais ou menos enthusiasticas feitas pelo congresso a favor do movimento nacionalista (o Swadeshi  recentemente estudado pelo sr. Valentine Chirol), o acerca do trabalho hindu no Transvaal, deve mencionar-se o protestovehemente do congresso contra a divisão de Bengala em dois centros administrativos. Um delegado de Bengala era a causa direta do movimento sedicioso actual.

Foi, todavia, a questão da representação dos mahometanos que occupou o primeiro lugar. Os membros hindus do congresso votaram uma moção hostil ao systema eleitoral actual.

Para assegurar à minoria musulmana da India uma representação sufficiente nos novos conselhos, os inglezes acharam dever agrupar os musulmanos em collegios eleitoraes distinctos. Os hindus protestam contra este privilegio concedido à população musulmana.

Levantou-se uma discussão bastante viva no congresso entre elles e os delegados musulmanos. Parece que após estes debates os hindús acceitaram a  conservação do systema actual com a condição de que os smusulmanos renunciassem a estendel-os às eleições municipaes.

Esta questão vae  ser tratada a fundo  durante a conferencia entre hindus  e musulmanos que se estaeffectuando em Allahabada paro negociar a approximação entre os chefes políticos e estes dois grupos.

O programma desta conferencia contem curiosos pormenores, encarar-se-á, por exemplo, a suppressãp do “boycottage” que s musulmanos e hindus praticam uns para com outros, especialmente nas aldeãs de Bengala oriental. Mas é sobre o systema eleitoral que versará principalmente a discussão.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.