Decifrando Neymar

danielpiza

10 Março 2011 | 09h40

Neymar jogou muita bola ontem na Vila, contra a Portuguesa. Fez dois gols e deu o passe do outro. Quando parte para cima, mistura velocidade – não só de deslocamento, mas sobretudo de gestos e reflexos – e habilidade, com seu repertório de dribles e controles. O marcador nunca sabe para que lado vai sair, e quando percebe já é tarde. Faz tudo em direção ao gol, correndo, ou sugerindo que vai disparar, e escondendo a bola nos momentos cruciais: veja nas fotos que os marcadores estão sempre olhando para o vazio. E conclui de direita e de esquerda, com força e precisão cada vez mais parecidas, de cabeça erguida, olhando para o gol antes de escolher o canto. Ainda tem o que melhorar, no passe e no chute à distância, mas é o tipo de jogador que levanta o estádio assim que pega na bola perto da área. Alvíssaras.