Dez aforismos de Drummond

danielpiza

19 Junho 2007 | 14h13

A Record acaba de republicar O Avesso das Coisas, os aforismos de Carlos Drummond de Andrade. É uma edição bacana, quase no formato de uma caixa de CD, e as frases organizadas em ordem alfabética. Como nas crônicas de Drummond, há irregularidade e simploriedade, mas há também grandes achados:

“O amor dinamita a ponte e manda o amante passar.”

“Há quem tenha saudades da crítica literária, substituída pela crítica universitária.”

“Não há felicidade que resista à continuação de tempos felizes.”

“Somos humildes na esperança de um dia sermos poderosos.”

“A inteligência superior vive em débito com os admiradores, que lhe exigem tudo.”

“O otimismo é um cheque em branco a ser preenchido pelo pessimista.”

“O sofrimento é repartido ao longo da vida e separado por blocos de esquecimento.”

“A tradição é cultuada pelos que não sabem renová-la.”

“A vida é breve, a velhice é longa.”

“O verso é uma vitória sobre os limites da linguagem.”