E vexaminoso depois

danielpiza

02 de julho de 2010 | 12h54

Depois de fazer seu melhor primeiro tempo na Copa, o Brasil entrou no segundo com todos os defeitos em campo, a começar pela imaturidade de Felipe Melo, que passou de herói a vilão do jogo. O gol da Holanda foi uma besteira monumental dele e principalmente Julio Cesar. A partir dali a reação foi nervosismo crescente, com Robinho e Kaká tentando resolver sozinhos, Luís Fabiano sumido até ser trocado por Nilmar, Michel Bastos levando baile de Robben até ser trocado por Gilberto, Daniel Alves e todos os outros mais preocupados em reclamar do que jogar. Com a expulsão de Felipe Melo, o Brasil foi patético em diversos momentos e a Holanda passou a dar olé. Um segundo tempo vexaminoso, que mostrou que uma seleção não se constrói com arrogância, mas com talentos.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.