Falta de folhetim

danielpiza

12 de setembro de 2009 | 13h51

O problema de Caminho das Índias, que terminou fazendo sucesso como toda telenovela termina, não foram as faltas de verossimilhança e coerência, cuja lista precisaria de muitas páginas de jornal. Foi sua falta de força como folhetim mesmo. A vilã de Letícia Sabatella não cresceu como deveria, tanto que passou a ser auxiliada pelo sedutor golpista. Como Marcio Garcia não tem recurso para ser protagonista, Juliana Paes e Rodrigo Lombardi pelo menos foram eleitos os mais sexy do Brasil. E mesmo as cenas de humor, que recorreram até a Chico Anysio, não aliviaram. Além das beldades, a novela viveu dos bordões modistas (“hare baba”, etc), dos cartões postais (mesmo que do Projac) e de temas “corretos” (como esquizofrenia ou a delinquência dos filhinhos de papai). Os personagens marcantes e a relação com sua época, que definem as melhores novelas para além dos “amores impossíveis” e da “luta do bem contra o mal”, passaram longe.