Uma lágrima para Budd Schulberg

danielpiza

06 de agosto de 2009 | 07h42

[kml_flashembed movie=”http://www.youtube.com/v/eeVq1e6JKlw” width=”425″ height=”344″ wmode=”transparent” /]

Quem escreveu a cena acima tem passe direto para a imortalidade. Budd Schulberg, que morreu ontem em Nova York aos 95 anos, foi o roteirista de Sindicato de Ladrões (1954), em que Brando diz que poderia ter sido um lutador profissional e vitorioso se não fosse pelas armações do irmão; foi um dos mais importantes jornalistas esportivos dos EUA (escrevia sobre boxe, é claro); foi autor de romances como What Makes Sammy Ran?, sobre um carreirista em Hollywood, e Os Desencantados, sobre Scott Fitzgerald, com quem trabalhou; como se não bastasse, quando era da equipe de documentaristas de John Ford na Segunda Guerra, ajudou a prender Leni Riefensthal, a cineasta nazista que foi julgada em Nuremberg. Seu passo em falso foi, como Elia Kazan, diretor de Sindicato de Ladrões, denunciar colegas no macarthismo. Mas o autor fica.