Zapeando

danielpiza

16 de março de 2010 | 08h01

Os documentários continuam salvando em parte a programação das TVs. No domingo vi a pré-estreia de Vida, no Discovery Channel, série que começa na próxima quinta-feira às 22h. O clichê se impõe: é um “show de imagens” que nos deixa pensando em como esses caras conseguiram registrar essas cenas em tantos detalhes, com tanta nitidez e força. A perereca vermelha que leva um a um seus girinos para se esconder na reserva d’água das bromélias no topo da árvore; o combate dos hipopótamos; a dança dos mergulhões; o ataque do pingüim pela foca leopardo; o sacríficio da mãe polvo, que fica seis meses abrigada sem comer para que seus milhares de ovos sobrevivam. É muito interessante e pode fazer as crianças pensarem um pouco sobre as complexidades da natureza.

Outro bom documentário que vi na HBO recentemente é The September Issue, sobre a lendária edição de setembro de 2007 da revista Vogue, com mais de 800 páginas. O foco é na diretora, Anne Wintour, e na produtora, Grace Coddington, em contagem regressiva para o fechamento. Vemos seus critérios e atritos – Wintour mais “comercial”, mais preocupada com os negócios da moda, e Coddington mais “artística”, mais preocupada em fazer editoriais sofisticados, em alguns casos afetados demais – e vemos que é por isso que tudo funciona. E, claro, pelo dinheiro disponível para pagar gente como Mario Testino, Sienna Miller, a brasileira Raquel Zimmerman, etc… Essas revistas femininas têm um peso ainda mal medido no comportamento atual. Em qualquer evento chique vemos todas as mulheres de bolsa Chanel e sapato Louboutin, uma uniformidade comandada pela ditadura das grandes grifes. E um meio que deveria ser cada vez mais diversificado e democrático tem um poder centralizado em poucas figuras.

Finalmente vi, no Telecine, o documentário I’m Your Man, sobre o compositor e cantor Leonard Cohen. Tem participações como as de Nick Cave, U2, Antony e Rufus Wainwright, além do próprio Cohen falando sobre infância, poesia, influências. Um dos melhores documentários musicais que já vi.

Outro que o Telecine anda exibindo é o excelente Quando Éramos Reis, sobre a luta de Muhammad Ali com George Foreman no Zaire (Congo). Ouvimos Norman Mailer e George Plimpton, vemos os shows de B.B. King e James Brown, acompanhamos as semanas de espera causada pela contusão de Foreman, nos fascinamos com Ali treinando e traçando sua estratégia. Não é só para quem gosta de boxe; e esse é o melhor elogio para um documentário de boxe.