Médicos fazem novo protesto contra governo federal na Avenida Paulista

Felipe Tau

31 de julho de 2013 | 17h30

 

Entidades médicas convocaram novos protestos nesta quarta-feira, 31, contra as recentes medidas do governo federal na área de saúde, como o Programa Mais Médicos, que trouxe profissionais estrangeiros para trabalhar no interior do País. Em pelo menos 12 Estados, o atendimento eletivo aos pacientes das redes pública e privada também foi suspenso. Em São Paulo, passeata reuniu quase mil profissionais e bloqueou o trânsito na Avenida Paulista.

Passeata dos médicos interrompe fluxo de veículos na Avenida Paulista, no sentido Consolação. Foto: Tom Oliveira-Instagram/Reprodução

20h38 – Há cerca de 15 minutos, médicos encerraram o protesto desta quarta-feira em frente à sede do Cremesp. Não houve registro de incidentes. (Bruno Deiro)

20h18 – De acordo com a CET, protesto dos médicos ocupa três faixas da Rua da Consolação, sentido centro, junto à Rua Caio Prado.

19h50 – A SPTrans informa que o protesto dos médicos na Rua da Consolação prejudica a circulação de ônibus na região.

19h37Manifestantes descem a Rua da Consolação até a sede do Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp). Como haviam combinado com a PM, protesto bloqueou a Avenida Paulista somente no sentido Consolação. De acordo com os policiais que acompanham a passeata, ainda há entre 600 e 800 pessoas no protesto e não houve registro de confrontos. (Bruno Deiro)

19h29Médicos ainda bloqueiam a Avenida Paulista, no sentido Consolação, agora na altura da Praça do Ciclista, de acordo com a CET.

19h07 – De acordo com a Polícia Militar, 500 pessoas participam da passeata dos médicos contra o governo federal.

18h51 – Na Avenida Paulista, o reflexo da manifestação dos médicos são quase 2,7 km de congestionamento, no sentido Paraíso, entre a Rua da Consolação e a Praça Oswaldo Cruz.

18h47 – Segundo a SPTransônibus voltam a circular normalmente na Avenida Brigadeiro Luís Antônio após a liberação do protesto dos médicos.

Médicos param a Avenida Paulista em manifestação contra o governo federal. Foto: Daniel Teixeira/Estadão

18h31Passeata dos médicos interditou há pouco a Avenida Paulista, no sentido Consolação, na altura da Avenida Brigadeiro Luís Antônio. Grupo deve seguir pela Rua da Consolação até a Praça Roosevelt. Acompanhados por um carro de som, manifestantes carregam faixas e caixões simbólicos dos ministros da Saúde e da Educação, Alexandre Padilha e Aloísio Mercadante, e da presidente Dilma Rousseff. O grupo ainda carrega um boneco com um jaleco, que representa o Sistema Único de Saúde. (Bruno Deiro)

17h55 – Pelo segundo dia consecutivo, sindicatos médicos confirmaram a suspensão do atendimento eletivo aos pacientes das redes públicas e privadas de saúde nesta quarta-feira, 31, em pelo menos 12 Estados. Em São Paulo, manifestantes da categoria pretendem interromper o trânsito na Avenida Paulista.


View Paralisação de médicos – 31 de julho in a larger map

Médicos interromperam o atendimento nas redes pública e privada em pelo menos 12 Estados

17h47 – Depois da pressão das entidades médicas, o governo federal anunciou nesta quarta-feira, 31, que desistiu dos dois anos extras no curso de Medicina, referentes à passagem obrigatória dos estudantes no Sistema Único de Saúde.

17h45 – De acordo com a CET, protesto dos médicos ocupa totalmente a Avenida Brigadeiro Luís Antônio, no sentido bairro, perto da Praça Pérola Biyngton.

17h26 – Após concentração em frente à sede da Associação Médica Brasileira, na Avenida São Carlos do Pinhal, na Bela Vista, cerca de mil profissionais da categoria iniciaram novo protesto por volta das 17h. Grupo segue pela Avenida Brigadeiro Luis Antônio, em direção à Avenida Paulista. Expectativa é que passeata dos médicos vá até a altura da Consolação. (Bruno Deiro)