Conclave movimenta economia de Roma e do Vaticano

Viviane Bittencourt

13 de março de 2013 | 06h35

JAMIL CHADE – ENVIADO ESPECIAL / VATICANO – Num país que vive sua pior crise econômica desde a 2.ª Guerra, a renúncia do papa Bento XVI e o subsequente conclave iniciado ontem no Vaticano estão servindo como um “mini pacote de estímulo”, movimentando o comércio de Roma.

Os hotéis da capital italiana estão lotados em todo o entorno do Vaticano, por 5,6 mil jornalistas estrangeiros e milhares de peregrinos. Os preços dos aluguéis de casas aumentaram em 20% e os terraços usados pelas câmeras de todo o mundo para ter uma vista privilegiada da chaminé da Capela Sistina chegam a custar€2 mil por dia.

O número de reservas em hotéis aumentou 30% desde que se anunciou a data exata do conclave. Se os cardeais italianos esperam conseguir, finalmente, um papa italiano, depois de 30 anos fora do poder, os comerciantes e os donos de hotéis torcem para que o pontífice seja estrangeiro.

“Assim teremos muitos peregrinos de fora, com dinheiro para gastar”, declarou Anna, gerente de um albergue na Via Borgo Pio, a poucos passos da Praça São Pedro. A Itália vive seu quarto ano consecutivo de recessão e o desemprego é recorde no país.

O Vaticano também está lucrando. Selos especiais e lembranças comemorativas foram fabricadas e fazem sucesso entre os compradores das lojas da região, que por anos sofreram com as baixas vendas de artigos com o rosto de Bento XVI. Mais de 150 mil unidades dos selos marcando a Sede Vacante tinham sido vendidos até ontem.

Segundo os dados oficiais, as vendas de lembranças do Vaticano em fevereiro dobraram em relação a janeiro. Bento XVI renunciou em 11 de fevereiro.

Quem também tem lucrado são hospedarias, seminários e hotéis mantidos pela Igreja ou por ordens religiosas em Roma. Por décadas, o Vaticano controlou centenas de imóveis pela cidade. Mas a crise e a queda no número de padres e freiras provocou a venda de vários desses prédios. Os edifícios mantidos pela Igreja, em virtude de sua importância histórica, têm vivido às moscas. O desembarque em Roma de centenas de religiosos para acompanhar os mais de 115 cardeais, no entanto, fez com que a busca por um quarto nesses locais se transformasse em uma disputa acirrada.