Irmã do papa Francisco diz que ele não queria ser papa

Viviane Bittencourt

14 de março de 2013 | 12h05

BUENOS AIRES (EFE) – Jorge Bergoglio, o papa Francisco, nunca desejou ser papa, está vivendo um momento histórico e  terá um trabalho difícil pela frente, por isso “é preciso rezar muito por ele”, disse hoje a irmã do papa María Elena, que ainda não acreditou totalmente que ele se tornou o bispo de Roma.

“Foi um choque muito forte, que ainda estou vivendo, não esperava que ele fosse eleito papa. Pobre homem, a emoção que deve ter sentido ao escutar toda aquela gente gritando ‘viva o papa!'”, afirmou María Elena, que mora em Ituzaingó, na província de Buenos Aires, em declarações à emissora C5N.

Maria Elena Bergoglio relatou que seu irmão “não queria ser papa” e que, em 2005, quando ficou em segundo lugar na eleição para sucessão de João Paulo II, “ele rezava para que não fosse eleito”.

“Eu tive a graça de Deus de viajar e conhecer João Paulo II, pois as famílias dos novos cardeais eram apresentadas ao papa. Quando chegou o momento de me ajoelhar e beijar o anel do papa, levantei a cabeça e nunca vi na vida um olhar de tanto amor e tanta solidão, as duas coisas juntas”, lembrou.

“É um momento histórico, é o primeiro papa não-europeu, latino-americano, argentino, e isto coube a ele, ao meu irmão”, analisou. “Sinto que terei de rezar muito por ele, porque estamos vivendo em um mundo difícil, em um momento difícil para a Igreja, e necessitamos de Deus permanentemente”, disse María Elena.