Manifestantes furam bloqueio da PM e ocupam Câmara dos Vereadores no Rio de Janeiro

Felipe Tau

31 de julho de 2013 | 21h11

Manifestantes ocupam a Câmara Municipal do Rio de Janeiro em novo protesto contra o governador Sérgio Cabral (PMDB). Grupo partiu da Cinelândia, no centro carioca, passou pelas sedes do Ministério Público Estadual e da Assembleia Legislativa fluminense e furaram o bloqueio policial na sede do Legislativo do Rio. Uma das principais queixas da passeata é o decreto que cria Comissão Especial de Investigação de Atos de Vandalismo em Manifestações Públicas (CEIV).

Depois de passeata pelo centro carioca, cerca de 2 mil manifestantes se concentram na porta da Câmara Municipal do Rio. Cinquenta ativistas estão dentro do imóvel. Foto: Marcos de Paula/Estadão

22h35 – Por enquanto, há registro de três feridos. Um policial ficou machucado na boca, mas ainda não há informações sobre a origem do objeto que o acertou. Dois manifestantes foram atingidos por pedradas.

22h33 –  Manifestantes foram retirados à força da Câmara porque, segundo a PM, havia ameaças de depredações. Os policiais fazem cerco fora do prédio para evitar a volta dos ativistas e ainda há tumulto.

22h25Os PMs reagiram com cacetetes, spray de pimenta e arma de choque e avançaram sobre os manifestantes. Não há, por enquanto, informações sobre o número de feridos ou presos. É o primeiro confronto direto entre policiais e ativistas para dispersar o protesto.  (Heloísa Aruth Sturm e Tiago Rogero)

22h24Parte dos manifestantes atira rojões contra policiais na entrada da Câmara de Vereadores do Rio.  (Heloísa Aruth Sturm e Tiago Rogero)

22h16 – Os ativistas que pretendem acampar na Câmara estão recebendo alimentos, de outros manifestantes, pelas janelas do prédio. (Heloísa Aruth Sturm e Tiago Rogero)

22h15Cerca de 80 PMs acompanham a ação dentro da Câmara dos Vereadores. O objetivo, segundo policiais, não é retirar os manifestantes, mas impedir depredações. (Heloísa Aruth Sturm e Tiago Rogero)

22h13 – Expectativa do grupo que ocupou a Câmara é acampar no imóvel até que a Assembleia Legislativa vote projeto pelo impeachment de Sérgio Cabral. Os deputados estavam em recesso e retornam ao trabalho nesta quinta-feira, mas não está prevista nenhuma votação para a saída do governador(Heloísa Aruth Sturm e Tiago Rogero)

22h10 – Os manifestantes conseguiram abrir à força a porta principal da Câmara dos Vereadores e  cerca de 100 pessoas entraram na sede do Legislativo. A PM usou spray de pimenta e armas de choque para evitar que mais ativistas entrassem. Aproximadamente 2 mil pessoas estão na frente do prédio. (Heloísa Aruth Sturm e Tiago Rogero)

21h50 – Durante o ato contra Cabral desta noite, o estudante Tiago Barreto, de 18 anos, foi detido pela PM quando segurava uma pedra. Segundo a polícia, ele fez menção de jogar a pedra contra os policiais. Já o rapaz disse que havia sido atingido pela pedra e por isso a pegou. (Heloísa Aruth Sturm e Tiago Rogero)

21h27 – Nesta quarta-feira, manifestantes se reuniram com o procurador-geral de Justiça, Marfan Vieira, que rebateu críticas ao decreto. “Essa interpretação (de que é ilegal) é equivocada. Em momento algum a comissão pensou em quebrar sigilo. O decreto está em harmonia com o ordenamento jurídico“. Mas, atendendo a pedidos do grupo, ele disse que a partir de hoje o Ministério Público divulgará, pela internet, informações atualizadas sobre investigações que envolvem o governo estadual, como o uso de helicóptero do Estado pela família de Cabral e gastos públicos com a Copa e a Olimpíada(Heloísa Aruth Sturm e Tiago Rogero)

21h24 – Já são 50 manifestantes dentro do prédioda Câmara Municipal do Rio de Janeiro. Os ativistas no interior da Casa exigem a presença de advogados e de integrantes do grupo Mídia Ninja, que transmite as manifestações ao vivo pela internet. (Heloísa Aruth Sturm e Tiago Rogero)

Manifestantes cariocas fazem novo ato para pedir a saída do governador Sérgio Cabral. Foto: Marcos Arcoverde/Estadão

21h08Dez ativistas conseguiram furar o bloqueio da PM e ocuparam a Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro. Cerca de 2 mil pessoas estão do lado de fora e pretendem acampar dentro do prédio do Legislativo municipal carioca.  Manifestação começou na Cinelândia, no centro do Rio, contra o governador Sérgio Cabral (PMDB). Cerca de 300 PMs acompanharam o ato desde o início da noite.