Papa elogia velhice e diz "não" ao pessimismo

Viviane Bittencourt

15 de março de 2013 | 07h13

Começou há pouco na Sala Clementina, que fica dentro do Palácio Apostólico, no Vaticano, a primeira audiência do papa Francisco com os cardeais. O encontro, que por enquanto é a única agenda prevista para o dia, começou pontualmente às 11h locais (7h de Brasília). O pontífice dispensou as vestes cerimoniais usou o hábito branco.

Logo no início do o encontro, o pontífice tropeçou ao se levantar para cumprimentar o decano dos cardeais, Andelo Soldano, mas rapidamente recuperou o equilíbrio.

Em sua mensagem de agradecimento aos cardeais, o papa Francisco elogiou a velhice e pediu aos cardeais para nunca cederem ao pessimismo e ao desânimo, além de sempre manter os olhos sobre a verdadeira missão da Igreja. “Não cedamos nunca ao pessimismo, àquela amargura que o diabo nos oferece todos os dias. Temos a firme a certeza de que o Espírito Santo doa à Igreja, com o seu sopro poderoso, a coragem de perseverar e também de buscar novos métodos de evangelização, para levar o Evangelho até os extremos confins da terra”, disse, falando de improviso, apesar de ter um texto preparado.

O encontro iniciou-se com uma saudação do decano do Colégio Cardinalício, d. Angelo Sodano. Em seguida, os cardeais cumprimentam, um a um, o papa Francisco. Recebem um beijo, conversam alguns segundos, e depois beijam a mão do papa.

O cardeal brasileiro d. Odilo Scherer, que aparecia como um dos nomes cotados para ser o novo papa, já cumprimentou o papa. No conclave, os votos que ele recebeu na primeira rodada de votações, ficaram estagnados.

O cardeal Jorge Borgoglio, de 76 anos, foi nomeado papa na quarta-feira, dia 13, depois de dois dias de conclave (a reunião secreta que reúne os 115 cardeais-eleitores papa escolher o sucessor de Bento XVI, que renunciou ao pontificado). Bergoglio adotou o nome de Francisco, em uma homenagem a São Francisco de Assis.

(COM INFORMAÇÕES DA REUTERS)