Protestos completam 19 dias no País; em São Luís, houve confrontos com a polícia

Felipe Tau

24 Junho 2013 | 19h44

23h18RIO – Uma tentativa de arrastão, depois de manifestação que reuniu 300 pessoas na Praça das Nações, em Bonsucesso, zona norte, terminou em confronto na Favela Nova Holanda, no Complexo da Maré. A confusão começou ainda durante o ato, que chegou a ser desmarcado pelas redes sociais, mas ainda assim atraiu manifestantes. Um grupo de rapazes, com os rostos cobertos com camisetas, tentou assaltar as pessoas que participavam do protesto. Depois, seguiram para a Avenida Brasil, com a intenção de fechar a via, mas foram impedidos pela Polícia Militar.

O grupo seguiu, então, para a Favela Nova Holanda. O Batalhão de Operações Especiais (Bope) foi chamado e houve confronto. Estudantes de um curso de pré-vestibular comunitário ficaram retidos na ONG Redes da Maré. Havia ainda uma reunião de fotógrafos na ONG Observatório de Favelas. Eles também ficaram em meio ao fogo cruzado. “A polícia lançou bombas de efeito moral. Em seguida começaram os tiros. Ninguém consegue sair”, contou um dos fotógrafos da Agência Imagens do Povo. (Clarissa Tomé)

23h00 – PORTO ALEGRE – A manifestação pela redução das tarifas do transporte público terminou com novos conflitos entre soldados da Brigada Militar e participantes do protesto na noite desta segunda-feira, em Porto Alegre. Houve depredações de equipamentos públicos como contêineres de lixo, placas de trânsito e semáforos e de fachadas de estabelecimentos comerciais, bancas de revistas, bares e automóveis. Pelo menos 15 pessoas foram detidas.

Como das vezes anteriores, o protesto começou na praça Montevidéu, diante da prefeitura, mas seguiu por roteiro diferente, pelas avenidas Mauá, João Goulart e Loureiro da Silva, que formam uma espécie de círculo sobre a área central. O público foi estimado em 10 mil pessoas pela Brigada Militar e correspondeu à metade dos que foram às ruas na quinta-feira. (Elder Ogliari)

22h21 – Goiânia – Os manifestantes que enfrentaram a Tropa de Choque, a Cavalaria e a Guarda Municipal na porta da Prefeitura de Goiânia na noite desta segunda-feira, 24, também atacaram e destruíram carros de duas emissoras de televisão e de um jornal impresso que davam apoio aos jornalistas na cobertura dos protestos. Foram depredados veículos da Televisão Anhanguera (Rede Globo local), do jornal O Popular, e do SBT.

A sede do SBT em Goiânia, que fica no Jardim Goiás, distante cerca de dois quilômetros da Prefeitura, também foi alvo de vandalismo. No momento os manifestantes saíram do Paço Municipal, onde fica a Prefeitura e onde trocaram agressões com o policiamento e voltaram a fechar a BR 153, sentando na pista. A Tropa de Choque e a Cavalaria acompanham a movimentação. (Marília Assunção)

21h50 – Goiânia – Manifestantes entraram em confronto com policiais militares e guardas municipais duas vezes na noite desta segunda-feira, 24, quando tentaram entrar no Paço Municipal onde fica a Prefeitura, após 19h30. Os manifestantes queriam ser recebidos por alguém, mas o local estava isolado desde a tarde, quando até mesmo os servidores tinham sido dispensados. Bombas foram atiradas, aparentemente dos dois lados, assim como muitas pedras e paus foram usados pelos manifestantes. Houve disparos pelos policiais. 

A Cavalaria também foi utilizada. Imagens da Televisão Anhanguera (Globo) flagraram o momento em que pelo menos um PM da Cavalaria usa um chicote contra um pequeno grupo de manifestantes e um deles chega a cair no chão. Antes de alcançar o Paço, que fica em área fora do núcleo central de Goiânia, os manifestantes fizeram uma longa passeada e chegaram a fechar a BR 153, a caminho da Prefeitura, por alguns minutos. Após o segundo confronto o grupo acabou dispersando. (Marília Felisberto) 

21h35  – SÃO LUÍS –  O grupo de manifestantes que tentava invadir a Assembleia conseguiu ser dispersado pela cavalaria, parte da tropa de choque  e do 8º Batalhão da PM. Agora o grupo segue para o retorno do Coahma , a cerca de 1 Km da Assembleia. (Ernesto Batista)

O confronto continua na Avenida dos Portugueses  e a tropa de choque já recebeu ordem para ficar durante a noite inteira, caso seja necessário para manter a ordem. Dois manifestantes foram presos e um policial teve um dedo decepado por uma pedrada.

20h58PORTO ALEGRE – A manifestação da noite desta segunda-feira repetiu os conflitos das anteriores entre participantes do protesto e Brigada Militar, em Porto Alegre. Desta vez o confronto teria começado entre os próprios manifestantes. Desta vez a caminhada reuniu cerca de 10 mil pessoas , metade do público de quinta-feira passada.

Foto de internauta mostra concentração em Porto Alegre, às 20h24. Foto: @diegoitu/Reprodução

 Quase ao final da passeata, já na esquina da Avenida Borges de Medeiros e Rua dos Andradas, um grupo pequeno tentou quebrar as grades de uma loja e os demais tentaram impedir. A Brigada Militar interferiu e houve confronto com os mais exaltados, com arremesso de bombas de efeito moral, pedras e paus. Diante disso, a multidão se dispersou por ruas próximas e um grupo ficou enfrentando a polícia e depredando bancas de revistas e placas públicas.

Além do confronto, houve depredações na Rua João Alfredo, no bairro Cidade Baixa. Um grupo de adolescentes afastou-se da passeata, que não entrou naquela rua, e passou a virar contêineres de lixo e quebrar vidros de automóveis e de edifícios residenciais e comerciais. (Elder Ogliari)

20h50 – Manifestação em Porto Alegre se divide. Parte dos manifestantes foi para a chamada Cidade Baixa, onde um pequeno grupo entrou em confronto com a Polícia Militar. O ato começou por volta das 16h.

20h46 – Após reunião com a presidente Dilma Rousseff nesta segunda-feira, 24, o Movimento Passe Livre (MPL) saiu do Palácio do Planalto dizendo que o governo federal não apresentou proposta concreta para zerar a tarifa do transporte público ou melhorar o serviço. “Diálogo é um passo importante, mas sem ações concretas, que firmem essas melhorias para a população, não existe avanço”, disse Mayara Vivian, uma das líderes. O grupo foi quem deu início aos protestos pela redução da tarifa de ônibus em São Paulo, no dia 6. 

20h26SÃO PAULO – Manifestações continuam a mobilizar o País nesta terça-feira, 25. Pelo menos dez delas acontecerão durante o dia, três em São Paulo. A de maior vulto é a organizada pelo coletivo Periferia Ativa. Serão três locais de concentração: praça do Campo Limpo, Estação Capão Redondo do Metrô, na zona sul, e Estação Guaianases da CPTM, na zona leste. O ato está programado para as 7h. Em sua página oficial, o Periferia Ativa defende, entre outras causas, tarifa zero para o transporte público, redução do custo de vida e saúde e educação “padrão FIFA”. Veja no mapa locais com manifestações marcadas:

Clique na imagem para ampliar

 

20h24SÃO LUÍS – O grupo de manifestantes que saiu do bairro Renascença tenta, neste momento, invadir a Assembleia. Há conflito com a PM. Também há confronto em outro ponto da cidade entre o grupo que saiu da Avenida dos Portugueses e a Tropa de Choque. A terceira manifestação que saiu da Cidade Operária já chegou ao fim e teve um ônibus incendiado.

20h22 – CAMPOS DO JORDÃO – A sessão ordinária da Câmara de Campos do Jordão, a 173 quilômetros de São Paulo, marcada para ás 19h desta segunda-feira, 24, sofreu um atraso de 15 minutos para ser iniciada. O motivo foi a manifestação de cerca de duas mil pessoas, segundo os organizadores, que teve início por volta das 17h30, no portal turístico da cidade e terminou no plenário do Legislativo local, onde cerca de 200 pessoas foram recebidas pelo presidente da Casa, Felipe Cintra e pelos demais vereadores. (João Carlos de Faria)

20h12 – No Rio, que chegou a reunir 300 mil pessoas na semana passada, um novo protesto, desta vez com cerca de 2 mil participantes, voltou a fechar a Avenida Rio Branco, mas a passeata segue de maneira pacífica. Neste momento, os manifestantes se encontram em frente a escadaria da Câmara Municipal. A diversidade de reivindicações dá o tom do ato.

Na capital fluminense, manifestantes se concentraram na Igreja da Candelária e marcharam pela Avenida Rio Branco. Foto: Fábio Motta/Estadão

20h08FORTALEZA  – A segunda-feira em Fortaleza foi marcada por uma manifestação de advogados populares, defensores públicos e estudantes de Direito. Eles saíram em número de 200 pessoas da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Ceará (UFC) em direção á Procuradoria Geral de Justiça. No percurso de um quilômetro e  meio, os manifestantes portaram faixas cobrando que o Ministério Público atue na evitar violência policial nos próximos atos marcados para Fortaleza.

20h05 – CRISTALINA – A Polícia Civil de Unaí (MG) já identificou o homem que atropelou duas mulheres em Cristalina (GO). As duas mulheres, por enquanto identificadas como Valdilene e Maria Aparecida, uma delas aparentando cerca de 40 anos de idade, morreram no local do acidente, a BR 251, que liga as duas cidades situadas no Entorno do Distrito Federal. O atropelador tem cerca de 45 anos, mora em Brasília e seria ligado a um sindicato.

As informações são do delegado Eduardo Castro de Souza Dantas, de Unaí. Ele fez diligências em busca do suspeito que fugiu de carona e abandonou o carro na rodovia. O veículo foi encontrado depois totalmente carbonizado. O delegado espera que o motorista se apresente a qualquer momento, mas receia que isto ocorra apenas amanhã, quando escaparia de uma prisão em flagrante. (Marília Assunção)

 

20h01CAMPINAS – Cerca de 2 mil manifestantes fizeram o terceiro dia de protestos em Campinas, interior de São Paulo, na noite desta segunda-feira, 24. O grupo, que partiu do Largo do Rosário, no centro da cidade, fez uma passeata até a Câmara de Vereadores, onde se concentrou para pedir melhorias no transporte público e manifestar apoio a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar os contratos das empresas de ônibus com a prefeitura.

A manifestação ocorreu de forma pacífica até as 19h20 e era acompanhada por homens da Polícia Militar e da Guarda Municipal de Campinas, que reforçaram seus efetivos no paço e no entorno da Câmara. Eles tentaram interromper a sessão que ocorria no plenárioUm pequeno grupo de manifestantes jogou pedras contra a Câmara e houve um princípio de tumulto por volta das 19h30.

 

19h58  –PORTO ALEGRE – Uma nova manifestação pela redução das tarifas do transporte urbano parou o centro de Porto Alegre entre o final da tarde e o início da noite desta segunda-feira. O comércio fechou por volta das 17h, quando também ocorreu o pico da demanda pelos ônibus e lotações que saiam em direção aos bairros da cidade. Um cálculo inicial da Brigada Militar indica que cerca de 8 mil pessoas participaram dos primeiros momentos do protesto. O público corresponde a menos da metade do que foi às ruas na quinta-feira, quando as condições climáticas também eram adversas, com chuva e frio. (Elder Ogliari)

 

19h56 – Goiânia – Homens da Polícia Militar e da Guarda Municipal fizeram um cerco ao Paço Municipal onde fica a Prefeitura de Goiânia. Dezenas de viaturas policiais foram posicionadas próximo. Os funcionários foram dispensados mais cedo e os veículos da frota municipal, que geralmente ficam estacionados no Paço, foram recolhidos para evitar depredação.

Há poucos minutos, houve um corte de energia elétrica na iluminação pública, mas a passeada ainda não alcançou a BR 153. Há receio dos policiais de que a chegada dos manifestantes ocorra antes de a iluminação ser retomada, dificultando o controle da situação. O prefeito Paulo Garcia e o governador Marconi Perillo participaram da reunião com a presidente Dilma Roussef hoje em Brasília. As declarações de apoio do governador sobre o pronunciamento da presidente foram repercutidas hoje pelo jornal francês Le Monde. (Marília Assunção)

 

19h54MARÍLIA (SP) – Cerca de 300 manifestantes reuniram-se na frente da prefeitura de Marília, no centro-oeste do Estado, no início da noite desta segunda-feira, 24, para exigir a municipalização do transporte coletivo e melhorias na saúde. O grupo tinha o apoio de estudantes da Universidade Estadual Paulista (Unesp) que estão em greve. O protesto seguia em direção ao prédio da Câmara, onde vereadores discutiam projeto de aumento de 7,5% aos servidores municipais. O prédio da Câmara foi cercado por 50 policiais militares para evitar possível invasão.

19h47SÃO LUÍS – Ao todo, cerca de 6,7 mil pessoas participaram das seis manifestações ao longo do dia e a situação segue tensa. Duas manifestações ainda estão em andamento.

Na zona nobre da cidade, cerca de 3 mil manifestantes, a maioria estudantes de universidades particulares,  que se concentraram na frente do shoppings mais antigo da cidade, interditaram a avenida Colares Moreira e seguiram em passeata em direção a Assembleia Legislativa.

A principal bandeira da manifestação, batizado de “Acorda São Luís – Ato 3”, é o repudio à corrupção e a PEC 37, que limita  o poder de investigação do Ministério Público. Duas pessoas foram presas por portar bombas caseiras e fogos de artifício. A dupla foi denunciada pelos próprios manifestantes. (Ernesto Batista)

 

Manifestantes contra a PEC37 fecham avenida em São Luís. Foto: Divulgação/Facebook

 

19h34 – Os protestos por todo o País entram em sua quarta semana e diversas cidades, sendo oito capitais, têm manifestações ocorrendo na noite desta segunda-feira, 24.  A situação é mais tensa em São Luís, capital maranhense,  que praticamente parou em função das passeatas, que reivindicam melhorias na saúde, educação, transporte urbano e segurança. Estudantes, trabalhadores rurais, indígenas e moradores de bairros mais humildes interditaram avenidas e isolaram a ilha, ao bloquear a BR-135. Ocuparam  também a sede da Fundação nacional de Saúde (Funasa),  entraram em confronto com a tropa de choque da Polícia Militar e apedrejaram um ônibus. Veja a lista das principais cidades com manifestações acontecendo nesta noite:

São Luís, Teresina, Rio, Fortaleza, Campinas, Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife e Goiânia