Terceira testemunha de acusação depõe no Fórum da Barra Funda

Viviane Bittencourt

15 de abril de 2013 | 16h12

A terceira testemunha de acusação começou a depor nesta segunda-feira, dia 15, no Fórum da Barra Funda. O detento da Penitenciária de Marília, Luiz Alexandre de Freitas, estava preso no Carandiru no dia do massacre, 2 de outubro de 1992.

No dia do massacre, Freitas disse ter se escondido na cela 307-E do Pavilhão 9. Ele se escondeu embaixo de outros cadáveres, onde sentia o sangue dos mortos. Segundo Freitas, os presos não portavam armas e estavam todos com as mãos na cabeça. A maioria dos mortos que ele avistou nas celas ao seu redor estava nu, “pronto para a blitz” dos PMs, afirmou.

Freitas disse que sua vida foi poupada porque o policial que iria matá-lo o achou parecido com o próprio filho.

Freitas está preso por causa de seis roubos que cometeu. Ele cumpre pena de 23 anos, atualmente em regime semi-aberto.

Tudo o que sabemos sobre:

carandirucasa de detençãomassacre

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.