É de verdade?

Estadão

16 de junho de 2012 | 07h00

capa blog_1.jpg

(Por Natália Mazzoni)

Planta que come rato, flor que tem cheiro de carne podre e cacto cheio de cabelos. Parece até coisa de filme de terror. Mas não é. Isso tudo, acredite, existe na natureza. E tem também mais um monte de plantas esquisitas. No Estadinho desta semana você conhece 10 plantinhas que até lembram filme de ficção. E ainda aprende a fazer e cuidar de um terrário de carnívoras! A reportagem está nas páginas abaixo.

Página 1

Página 2

Página 3

O professor de sistemática vegetal da Unesp de Jaboticabal, Vitor Fernandes Oliveira de Miranda, conta mais um pouquinho sobre o exótico mundo das carnívoras. Olhe só.

Estadinho: Como funciona uma planta carnívora?
As carnívoras são como quaisquer outras plantas que fazem fotossíntese. Entretanto, elas adquiriram por meio da adaptação ao ambiente onde vivem, que é geralmente pobre em nutrientes, a capacidade de capturar, matar, digerir e absorver os nutrientes de pequenos animais (pequenos insetos, moluscos, microorganismos ou até  pequenos vertebrados, como sapos, aves e roedores). Por essa razão, muitos defendem que elas sejam chamadas de fato de “plantas carnívoras” e não “plantas insetívoras”.

Como elas fazem para capturar a presa?
Ao contrário do que se pensa, suas armadilhas geralmente são “folhas modificadas”, que se adaptaram por meio da evolução para a captura de pequenas presas. Mas a natureza foi muito criativa nesse processo: as diversas espécies de plantas carnívoras desenvolveram as mais inusitadas formas de armadilhas foliares, desde jarros coloridos e escorregadios, folhas do tipo papel-pega-moscas, vesículas que sugam minúsculos animais até armadilhas do tipo ratoeiras. Dessa forma, essas incríveis plantas conseguem absorver os nutrientes de suas presas, que muitas vezes não estão disponíveis de forma suficiente no solo.

A dioneia perde muita energia abrindo e fechando sua “boquinha”?
O processo de fechamento das armadilhas da dioneia é algo que fascinou muitos cientistas, desde Charles Darwin lá no século 19, até os atuais. Há muitas questões ainda a serem respondidas sobre o mecanismo de abertura e fechamento das folhas-armadilha da dioneia. O processo de fechamento da folha, ocasionado pelo toque da presa em pelos sensíveis (os tricomas-gatilho) que disparam um estímulo elétrico, pode ocorrer em décimos de segundo. Mas a reabertura da folha pode levar alguns dias.

Como assim?
Se a captura for bem-sucedida (uma suculenta mosca, por exemplo!), a folha pode ficar fechada, digerindo a presa, por até uma semana.

Qual é a carnívora mais fácil de ter em casa?
Muitas plantas carnívoras vivem em locais abertos e ensolarados. Muitas podem ser encontradas em campos naturais e geralmente encharcados, expostas ao sol, além de existirem as espécies aquáticas e até mesmo epífitas, que vivem sobre árvores. Assim, várias podem ser facilmente cultivadas em vasos comuns de jardins, como esses usados para violetas, com uma mistura de areia e musgo, que pode ser encontrado com certa facilidade nas floriculturas.

Quais são os cuidados que devemos ter para cuidar delas?
Os vasos devem ser mantidos sempre úmidos, de preferência sobre pratinhos com uma mistura de água e areia (para evitar a reprodução dos mosquitos, como os da dengue) e sempre fora de casa, em ambiente bastante ensolarado. As aquáticas, como algumas utriculárias, podem ser também facilmente cultivadas em pequenos tanques e aquários. Mas lembre-se que algumas espécies estão ameaçadas de extinção e todas elas (sejam as ameaçadas ou não) nunca podem ser retiradas do ambiente natural de onde vivem.

Em que época do ano elas ficam mais bonitas?
A maior parte das espécies de carnívoras vive em ambiente tropical, quente na maior parte do ano, assim, quase o ano inteiro estão bonitas a exibir suas exuberantes armadilhas. Entretanto, há também aquelas de clima temperado, mais frio, que costumam passar por um processo de hibernação e, nessa época, ficam menos chamativas e com as folhas menos desenvolvidas.

Há muitas plantas estranhas no mundo?
Certamente. Há muitas espécies curiosíssimas, estranhas e até mesmo bizarras de plantas! As menores plantas do mundo chegam a ter o tamanho de uma cabeça de alfinete. Algumas espécies, conhecidas como mirmecófilas, associam-se a formigas, tornando essas miniaturas de soldados protetoras de suas folhas contra insetos como os gafanhotos, tudo isso em troca de alimento ou mesmo moradia. Há ainda plantas cujas flores imitam carniça (tanto nas formas e cores quanto no odor de carne podre!) para atrair insetos para a polinização. Algumas árvores chegam a ter milhares de anos de idade, ou seja, eram sobreviventes desde as idades remotas da civilização humana! Enfim, quem se aventurar pelo meio botânico certamente irá se admirar com as surpresas que poderá encontrar.

Na nossa galeria tem mais plantas curiosas. Olhe só.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.