Para todas as Linas

Estadão

28 de janeiro de 2013 | 07h00

lina.jpg

(Por Aryane Cararo)

Lina quase não brinca. Não tem amigos. Não vai à escola. Em vez disso, ficava em casa ajudando sua tia Abigail, uma mulher que não gosta de poeira e que não sabe ser doce. Era Lina quem fazia o serviço da casa. Tirava pó, descascava batatas, areava as panelas, esticava os lençóis na cama, varria a casa, batia o tapete. Lina nunca podia repetir a sobremesa e, na festa de dona Abigail, não tinha o direito de nem comer coxinhas. Ela não reclamava, tinha medo dos olhares da tia. Apenas sonhava com o mundo do faz de conta nas suas tarefas domésticas (escondido, porque a tia ralhava). Até que um dia, no lixo, ela descobre uma carta que faz mudar sua atitude. Era de sua mãe.

Estrelas de São João, este livro sensível e um pouco triste, faz com que a gente fique torcendo para que Lina encontre, finalmente, a felicidade. Aliás, para que todas as Linas da vida real consigam ter um mundo de sonhos, fantasias e brincadeiras. Que possam ser crianças.

Estrelas de São João. Autora: Graziela Bozano Hetzel. Ilustrações: Elisabeth Teixeira. Manati, R$ 35.