Quadro a quadro

Thais Caramico

16 de abril de 2011 | 08h00

est26_01.jpg

A capa do Estadinho de hoje (dia 16) é sóbre histórias em quadrinhos (HQ). Mas não estamos falando dos gibis. A matéria é sobre livros que são feitos nesse formato de HQ, cada vez mais comuns de encontrar nas livrarias. Para conhecer nossa seleção de obras clássicas adaptadas para os quadrinhos, clique nas páginas abaixo.

Página 1

Página 2

Página 3

Gostou do que viu? Continue navegando para ver outros quadrinhos. Desta vez, livros que já nasceram nesse formato.

SANTO.jpg

Santô e os Pais da Aviação é uma obra do cartunista e ilustrador Spacca (você pode ler a entrevista dele na página 2, com o link logo acima). O interesse pela história da aviação fez com que ele pensasse em criar uma obra sobre o assunto. Muito antes do projeto se tornar um livro em quadrinhos, ele sonhava em ter um filme de animação. Mas, quando saiu da gaveta, a história ganhou formas quadradinhas e ilustrações com traços pretos e sombreados.
No livro, Spacca aumenta a polêmica sobre quem, de fato, inventou o avião. Santos-Dumont ou os irmãos Wright? Em 168 páginas, é uma obra fácil de ler até para quem não tem grande interesse pelo tema.

Cia. das Letrinhas, R$ 48.

20101222_Peanuts_Completo_1955_1956.jpg

Peanuts Completo faz parte da coleção completa do cartunista norte-americano Charles Schulz, o pai da Turma do Snoopy e Charlie Brown. Nele, você vai encontrar um ano de tirinhas que Schulz publicou nos jornais aos domingos, há quase 50 anos. Como se fossem pequenas comédias da vida humana, as histórias têm humor próprio por causa das características marcantes dos personagens (e isso fica mais claro a partir de 1955). Charlie Brown começa perdendo no beisebol enquanto Snoopy está cada vez mais engraçado.

L&PM Editores, R$ 75.

Carol_Laerte.jpg

Carol é uma garota intensa, sapeca e engraçada, daquelas que que fazem o que bem entendem. Com seu melhor amigo, o Gabriel, ela tem ideias mirabolantes e sua imaginação vai longe. Se não está pedalando, deve estar conversando com algum monstro por aí. E quando ela acha que algo está errado, vai logo dizendo: “Nada a ver, nada a ver”.
O livro traz tirinhas da personagem, que foi inventada em 1997. Antes, o cartunista Laerta publicava as peripécias da Carol numa revista que não existe mais, a Zá. Que bom que agora você pode ler quantas vezes quiser no livro.Não enjoa, a gente garante!

Editora Noovha América, R$ 29.