Trapalhadas no teatro

Estadão

11 de agosto de 2012 | 07h00

Capa_Blog.jpg

(Por Natália Mazzoni)

Você já pensou em produzir sua própria peça de teatro? O Estadinho desta semana, além de contar como o gênero de comédia pastelão chegou aos palcos, fez um manual cheio de ideias bacanas para você brincar de diretor ou ator de teatro. Tem até indicação de uma peça bem engraçada que está em cartaz no Teatro Alfa, em São Paulo, a Totalmente Pastelão! Parece divertido, não é? Se você não leu ainda, clique nas páginas abaixo.

Página 1

Página 2

Página 3

Página 4

Como nas antigas farsas medievais, você pode improvisar um espaço qualquer para a sua comédia.  Afaste os móveis da sala e use o que você tem em casa para criar o cenário. Para fazer ao ar livre, você pode usar o quintal de sua casa (se tiver varal, pode pendurar lençóis para fazer de conta que é a cortina) ou, com a permissão do síndico, um espaço comum no seu prédio.

 

Marcia Frederico, fundadora da Companhia de Teatro Medieval, explica um pouco mais sobre esse universo. Olhe só.

Como surgiu e como era o teatro medieval?

Durante muito tempo, o teatro foi dominado pelos padres que realizavam nas missas peças sobre a história de Jesus. O público passou a lotar as igrejas e, para ter mais espaço, as encenações foram caminhando para os pátios. Foi assim que muitos artistas de rua começaram a interferir nessas encenações e a igreja foi perdendo o controle.

Ainda assim, eram realizadas festas que levavam dias. Eram usadas pequenas carroças, chamadas mansions,  para representar as várias etapas da vida de Jesus, desde o nascimento até a morte. É muito parecido com o que acontece até hoje na época da Páscoa e do Natal, em que pequenas cidades se transformam e toda a população participa deste grande teatro. Para este tipo de teatro que conta a vida dos santos e de Jesus, deu-se o nome de Milagres e Mistérios.

A Igreja, então, foi perdendo o controle e os artistas passaram a encenar em grandes festivais, fazendo peças curtas e cômicas que retratavam o lado “animal” do ser humano. Eram faladas nas línguas locais de cada região para que todos entendessem, já que, antes disso, as encenações eram em latim.

Como surgiu e quais as características da farsa medieval?

As farsas são comédias curtas com poucos personagens, com temas humanos universais e atemporais. Falava-se, de forma bem-humorada, das relações humanas e sentimentos como raiva, amor e ódio. Os personagens oscilam como numa gangorra, ora um é esperto e o outro, tolo, de repente, inverte-se tudo. Há sempre pelo menos um que está enganando alguém, se faz passar por quem não é, como se fosse armado um teatro dentro do teatro.

Qual é a diferença da comédia pastelão e da farsa?

Existe uma farsa de origem francesa que se chama O Pastelão e a Torta, ou seja, no próprio título temos a palavra que virá a designar uma das muitas variações da comédia. Assim como as farsas são repletas de entra e sai, de encontrões, de cai e levanta, e de trapalhadas físicas consequentes do ritmo acelerado com que a trama é desenvolvida, a comédia pastelão tem estas situações quase circenses, em que os atores se assemelham aos palhaços que levam torta na cara e que revelam o lado mais patético do ser humano.