Artigo – Pacto de inclusão social deve ser renovado

Guias Oesp

17 de janeiro de 2011 | 10h39

Por Sergio Watanabe

inclusão socialIncluir pessoas com deficiência no mercado de trabalho, de modo respeitoso e digno, é um dos maiores desafios das empresas que desejam agir de forma socialmente responsável. Governo, empresas e portadores de necessidades especiais querem inclusão sem paternalismo. Isto significa contratar trabalhadores que contribuam para o desenvolvimento das empresas, em troca de remuneração e condições de trabalhos dignas.

Para tanto necessitam de qualificação específica. O primeiro desafio é localizar trabalhadores nessa condição e as empresas estarem preparadas para recebê-los, criando condições de acessibilidade, orientação em todos os escalões da empresa para tratar os novos colegas com respeito e sem preconceitos.

Para qualificar os trabalhadores e preparar as empresas, estas contam com os serviços do SENAI e de outras instituições especializadas. Mas nem sempre os trabalhadores requeridos estão cadastrados nos bancos de dados disponíveis. No caso da indústria da construção civil, estes aspectos vêm  se somar ao maior contingente de vagas que está nos canteiros de obra, em tarefas que envolvem algum grau de risco. A construtora precisará preservar a integridade física dos trabalhadores com deficiências, em decorrência da condição dos mesmos e da natureza da atividade. Algumas delas encontram soluções nas obras, outras contratam em setores administrativos.

Por entender que o setor tem plenas condições  de enfrentar satisfatoriamente este desafio, o SindusCon-SP (indústria da construção), o Sintracon-SP (trabalhadores da construção do município de SP), a Feticom (federação estadual dos trabalhadores do setor) e a Federação Solidária/CUT firmaram em fevereiro de 2.008 um Pacto Coletivo para Inclusão das Pessoas com Deficiência, com a anuência da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego do Estado de São Paulo (SRTE-SP).

Veja matéria completa em nossa Revista.

Revista Construção – Edição 114 – Guias OESP

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.