Luxo na boleia

Guias Oesp

29 de novembro de 2010 | 11h25

Com tecnologia cada vez mais sofisticada, veículos podem custam até R$ 500 mil

Foto de CaminhãoComputador de bordo, sensores que avisam se o motorista  está sonolento ou ultrapassando a faixa na estrada e sistemas que impedem a partida se o condutor estiver alcoolizado já equipam parte da frota de caminhões em países desenvolvidos e começam a ganhar espaço no Brasil. A tecnologia adotada nos veículos pesados está evoluindo na mesma velocidade que a dos carros de passeio.

Os caminhões de luxo, na faixa de R$ 450 mil a R$ 500 mil, representam menos de 5% das vendas, mas a tendência é de ampliar a presença, principalmente na categoria dos pesados, que levam grande volume e carga. A frota de caminhões do Brasil tem idade média acima de 10 anos e, em algumas regiões, chega a 20 anos. A demanda por veículos mais sofisticados surgiu na carona de crescimento econômico. “O mercado estável exige busca maior de competitividade e de profissionalismo”, diz Joachim Maier, vice-presidente de vendas da Mercedez Benz.

Foto de CaminhãoDe olho nessa demanda, a Mercedez anunciou a produção, em 2011, do Actros, o caminhão mais avançado da marca. A cabine “é uma suite presidencial”, define o gerente de produto Eustaquio Sirolli. A MAN, dona da marca Volkswagen – que ganhou mercado com produtos básicos -, também vai produzir modelos mais luxuosos em Resende (RJ) em 2011. Roberto Cortes, presidente da MAN/Volkswagen, diz que a estratégia é adequar a tecnologia de ponta à realidade brasileira. “Temos que tropicalizar o que existe de melhor lá fora.” Hoje, o modelo mais sofisticado da Volkswagen, o Constellation, custa R$ 300 mil e responde por 12% das vendas. A empresa oferece veículos com câmbio automatizado, o V-Tronic, que custa entre R$ 15 mil e R$ 20 mil.

Veja matéria completa em:

Revista Metal Mecânica e Eletroeletrônica – Edição 95 – Guias OESP

Empresas de Caminhões – Guias OESP

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.