Dilma entra na campanha de Haddad

A presidente Dilma Rousseff apareceu pela primeira vez, no horário eleitoral na TV de Fernando Haddad. Em um programa no qual o candidato do PT à Prefeitura falou sobre educação infantil, Dilma reforçou a necessidade de o governo municipal e a União trabalharem em parceria

Estadão

10 de setembro de 2012 | 23h07

A presidente Dilma Rousseff apareceu pela primeira vez, no horário eleitoral na TV de Fernando Haddad. Em um programa no qual o candidato do PT à Prefeitura falou sobre educação infantil, Dilma reforçou a necessidade de o governo municipal e a União trabalharem em parceria. “Juntos, podemos consolidar projetos fundamentais do governo federal, como o Proinfância, construindo muitas creches”, disse.

Segundo Dilma, “Haddad é a pessoa certa para comandar a grande transformação de que São Paulo precisa”. O ex-presidente Lula, que até então havia participado de todos os programas de Haddad na TV, não apareceu ontem.

No rádio, começam a ser veiculadas hoje propagandas em que a presidente elogia o petista: “Haddad tem projetos, tem apoios, sabe fazer e gosta de trabalhar. É um político sério e honesto”. Na mesma gravação, Dilma defende a “experiência” do candidato, que foi ministro da Educação tanto em seu governo quanto no de Lula. “É jovem e ao mesmo tempo experiente e testado na administração pública”, diz.

O plano inicial de Dilma era se manter neutra no primeiro turno das eleições para não criar problemas com candidatos de partidos de sua base aliada no Congresso – Gabriel Chalita (PMDB) e Celso Russomanno (PRB) em especial. Na semana passada, no entanto, a presidente decidiu vir a São Paulo para gravar mensagens de apoio a Haddad. A antecipação de sua entrada na campanha ocorre no momento em que Haddad perde votos na periferia para Russomanno, líder das pesquisas. Ela também gravou apoio ao candidato do PT à prefeitura de Belo Horizonte, Patrus Ananias, veiculados ontem na TV.

Pelo telefone
Além da participação de Dilma, a campanha de Haddad vai veicular mensagens telefônicas de Lula e da senadora Marta Suplicy pedindo votos no ex-ministro. O PT vai disparar 1,5 milhão de telefonemas com as vozes de Lula e Marta, nos próximos dias, nos bolsões da periferia onde Russomanno, “roubou” votos do partido.

Lula inaugurará a estratégia ao pé do ouvido, exaltando qualidades de Haddad como ministro. A voz de Marta aparecerá em outra leva de telefonemas. Os avalistas de Haddad atuarão em bairros que sempre foram redutos petistas, e onde Russomanno cresce, como Cidade Tiradentes, Guaianases, Itaim Paulista e Sapopemba, na zona leste, e Capela do Socorro, M’Boi Mirim, Cidade Ademar e Campo Limpo, na zona sul.

Rival de Haddad, José Serra (PSDB) também tem reforçado em sua propaganda o apoio do governador Geraldo Alckmin e do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que já apareceram no horário eleitoral. Serra também iniciou campanha com gravações telefônicas.