Fogo amigo põe PT e PSDB em saia-justa

Aliados dos candidatos à Prefeitura Fernando Haddad (PT) e José Serra (PSDB) deixaram a dupla em saia-justa. No caso petista, um vídeo no site de campanha comparou Serra a Hitler. Já do lado tucano, o paralelo entre Celso Russomanno (PRB) e o senador e ex-presidente Fernando Collor (PTB), rompeu a “trégua” com o candidato que empata com Serra nas pesquisas

Estadão

09 de agosto de 2012 | 22h39

Aliados dos candidatos à Prefeitura Fernando Haddad (PT) e José Serra (PSDB) deixaram a dupla em saia-justa. No caso petista, um vídeo no site de campanha comparou Serra a Hitler e abriu crise na equipe de comunicação. Já do lado tucano, o paralelo entre Celso Russomanno (PRB) e o senador e ex-presidente Fernando Collor (PTB), traçado pelo líder do partido na Câmara Municipal, Floriano Pesaro, rompeu a “trégua” com o candidato que empata com Serra nas pesquisas.

O material contra Serra foi produzido por um rapper, colocado anteontem na página de Haddad e retirado na mesma noite, após mais de 7 mil acessos. Ele causou a demissão do responsável pelo site, ligado ao marqueteiro João Santana.
Haddad afirmou que o vídeo é “inadequado”, mas se eximiu de responsabilidade e descartou pedir desculpas. “Eu não vi, mas considero correta a decisão que foi tomada pela coordenação da campanha de afastar o responsável.”

O vídeo foi produzido pelo rapper Mamuti 011, que afirma ter ficado irritado com o uso do nome de um festival de rap pela campanha de Serra e, como resposta, lançou a peça no YouTube. Ele diz que a campanha de Haddad não pediu autorização para usar o vídeo e que copiou a imagem com Serra e Hitler de um site. “Hitler tinha um desprezo pelos judeus e Serra, pelos pobres”, disse.

Em 2008, Santana envolveu-se em outra polêmica quando atuava na campanha de Marta Suplicy à Prefeitura, com anúncio questionando se o prefeito Gilberto Kassab era casado ou tinha filhos.

Serra classificou o fato de “baixaria”. “Eles já faziam isso na campanha de 2010”, disse. “O que saiu na campanha do Haddad é um desrespeito não só a mim ou ao meu partido, mas à população de São Paulo.” O tucano já comparou a ação de militantes do PT na internet a “tropas nazistas”. A equipe jurídica tucana estuda acionar a Justiça pela divulgação do vídeo.

Farpas no Twitter
No caso tucano, Pesaro fez a comparação entre Russomanno e Collor em entrevista à coluna Poder Online, do site iG. “Estou convencido de que é o mesmo caso. Russomanno não tem partido, não tem história nenhuma, não tem lastro político. É um problema pensar que alguém com esse perfil possa ser prefeito.”

O fato irritou tucanos, pois o partido tentou costurar pacto de não agressão com Russomanno. Fábio Lepique, tesoureiro do PSDB municipal, fez crítica indireta no Twitter: “No afã de aparecer, teve gente imatura criticando duramente o Russomanno.” E emendou: “Na vida em geral, e na política em especial, uma das piores coisas é o burro com iniciativa.” Pesaro rebateu, citando Lepique. “Tenho profundo respeito pelos ignorantes. E um sutil desprezo por quem se acha inteligente.”