Crise faz Obama ‘servir’ carne de cavalo

Presidente dos EUA promulgou uma lei que permitirá que milhares de cavalos sejam sacrificados em abatedouros do país para o consumo de sua carne. A medida visa a criar mais empregos nos matadouros, mas não deverá agradar o paladar da população, avessa a este tipo de prato

Redação

01 de dezembro de 2011 | 23h10

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, promulgou uma lei que permitirá que milhares de cavalos sejam sacrificados em abatedouros do país para o consumo de sua carne. A medida visa a criar mais empregos nos matadouros, mas não deverá agradar o paladar da população, avessa a este tipo de prato. A decisão também causou indignação entre os defensores de animais.

A lei, assinada no último dia 18, inclui uma cláusula que permite destinar verba à inspeção de carne de cavalo e reabrir os matadouros nos EUA, que foram fechados em maio de 2007.

Vários grupos de defesa dos animais, como o Animal Welfare Institute  e PETA, passaram e denunciar o que consideram uma “matança cruel de cavalos.”
Embora se oponha à lei, o PETA diz esperar que os animais sofram menos ao serem sacrificados no país do que no exterior. “Não queremos que sejam sacrificados, mas buscaremos diminuir a crueldade contra os bichos”, disse  David Perle, porta-voz da entidade.

Mercado externo

]A cada ano segundo, o governo, cerca de 140 mil cavalos são enviados a matadouros no Canadá e México. Não é raro, segundo Animal Welfare Institute, que não se cumpram as normas veterinárias do Departamento de Agricultura dos EUA (USADA).

O departamento prometeu que, na reabertura dos matadouros no país, fará respeitar as leis federais que garantem normas de higiene e saúde da atividade.

Mas a promessa é rechaçada pelos defensores dos animais. “Por que deveremos acreditar no USDA se antes ele não fazia cumprir a lei? Os mercados europeus têm de saber que esta carne não é segura”, disse Diana Pikulski, diretora de uma fundação que oferece programas de acolhida a cavalos.

“Além de tudo, não está garantido que o número de empregos criados no país pela iniciativa será significativo”, concluiu.

Os grupos que apoiam a medida alegam que os anos em que os matadouros ficaram fechados incentivaram o abandono dos animais e o tratamento negligente de muitos deles.

Mais: eles afirmam que, em meio à crise econômica, muitos donos de cavalos teriam abandonado seus animais devido ao alto custo para tratá-los e mantê-los.

O número de cavalos abandonados por seus tratadores em estradas ou terrenos, somente em estados como o Colorado, pulou de 975 em 2005 para 1,6 mil em 2009.

Estatísticas do governo dão conta que a população equina nos Estados Unidos oscila entre sete e nove milhões de animais com idade média de 10, 4 anos.

Tudo o que sabemos sobre:

Barack Obama