Pequena empresa fatura mais e planeja crescer

Pesquisa do Sebrae mostra que para 84% dos empresários a receita vai crescer ou pelo menos se manter nos próximos seis meses. Situação é favorável para aqueles que planejam abrir o próprio negócio este ano

Redação

12 de maio de 2011 | 23h53

GISELE TAMAMAR

O cenário envolvendo as micro e pequenas empresas é de faturamento e otimismo em alta no Estado. Em março, os empresários registraram um aumento de 3,2% na receita em comparação com o mesmo mês do ano passado. Trata-se do 18º mês consecutivo de crescimento. E grande parte dos empresários espera que essa situação permaneça favorável: 48% projetam manter a receita e 36% apostam em alta do faturamento nos próximos seis meses.

Os números da pesquisa de conjuntura Indicadores do Serviço Nacional de Apoio à Micro e Pequena Empresa (Sebrae-SP) divulgada ontem mostram uma situação favorável ao pequeno empresário e despertam o interesse daqueles que pretendem abrir um negócio próprio.

Os especialistas afirmam que esse é um bom momento para o empreendedor, mas é preciso cautela e planejamento antes de se lançar na abertura de uma empresa.

Para o professor Marcos Morita, que leciona estratégia da Universidade Mackenzie, novos empreendedores precisam ter um certo cuidado, principalmente na estrutura do capital, diante da alta do custo do crédito e da inflação. “É preciso ter atenção e planejar muito bem seu investimento.”

A professora do Programa de Capacitação da Empresa em Desenvolvimento (ProCED/FIA), Dariane Castanheira, também defende um bom planejamento antes de virar um empresário. “É importante que a economia esteja favorável, mas não é só isso. Um bom plano de negócios é fundamental.”

Momento ideal
O momento ideal para abrir o próprio negócio é quando o investidor achou seu nicho de mercado, estudou seu planejamento e está preparado para empreender, na opinião do diretor superintendente do Sebrae-SP, Bruno Caetano. “Não basta o bom cenário econômico. Isso não é garantia de sucesso pois há muita concorrência.”

O ponto de partida pode ser a escolha do nicho a ser explorado. A partir dos resultados do Censo 2010, o professor Marcos Morita aponta três tendências para quem deseja investir e não sabe qual área explorar. São elas: terceira idade, casais homossexuais e pessoas que moram sozinhas.

“O empreendedor deve ficar atento às notícias e analisar tendências para saber onde abrir negócio”, afirma o professor.

O superintendente do Sebrae indica o setor de serviços para quem quer investir, principalmente um negócio voltado para o consumo interno. O segmento apresentou o melhor desempenho entre os setores pesquisados, com elevação de11% no faturamento em março ante o mesmo mês de 2010.

O faturamento da oficina de funilaria e pintura Garagem 25 tem deixado seu proprietário Marcelo Batista Pereira, de 28 anos, satisfeito. Desde que formalizou o negócio, em outubro passado, só vê sua receita subir a cada mês. “Como passei a emitir nota fiscal, as empresas grandes passaram a me procurar e o serviço aumentou.”

E a expectativa de Pereira com os negócios acompanha os 36% dos entrevistados do Sebrae que acreditam em aumento da receita. “Os clientes estão aumentando e as expectativas são as melhores possíveis”, diz o empresário.

Emprego
O bom momento dos pequenos empresários também favorece o mercado de trabalho, segundo o superintendente do Sebrae-SP. Isso porque as micro e pequenas empresas são responsáveis por quase 70% dos empregos formais no Brasil. Com faturamento em alta, muitos empresários investem na contratação de funcionários.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.