Tablet com desconto nas lojas

Opções de aparelhos fabricados no País com tributação menor aumentam no comércio. E graças à MP que isenta de PIS e Cofins a venda dos aparelhos produzidos no Brasil, a previsão é que o valor possa diminuir até 30%

Redação

09 Setembro 2011 | 23h10

LIGIA TUON

O consumidor encontra cada vez mais opções de tablets com o preço reduzido nas lojas, desde que a Medida Provisória — que isentou de PIS e Cofins a venda dos aparelhos produzidos no Brasil — foi publicada no Diário Oficial, no início de agosto. A previsão é que até outubro, o valor possa diminuir até 30%, segundo estimativa do Ministério das Comunicações.

A Motorola e a Semp Toshiba já divulgaram o novo valor de seus tablets. No caso do Motorola Xoom (a pronúncia é zum), o modelo 3G passou de R$ 2.299 para R$ 1.999. Já com Wi-Fi, foi reduzido de R$ 1.899 para R$ 1.599 em alguns pontos de venda, como nas lojas da internet de Fast Shop, Siciliano, Saraiva e Americanas.com.

No caso do myPad, da Semp Toshiba/STI, o dispositivo móvel custa R$1.399, pode ser encontrado por R$ 999 nas Lojas Americanas (só loja física), por exemplo.

“Essa foi só a primeira manifestação da medida. Provavelmente, com isso, vai haver aumento de produção, contratação de mão de obra local e maior competitividade para o produto”, afirma Caio Ortiz, vice-presidente da Semp Toshiba.

O Galaxy Tab, tablet fabricado pela coreana Samsung, também já é produzido com redução de impostos, informa Benjamin Sicsú, vice-presidente de novos negócios da companhia. Os preços reduzidos, no entanto, não foram divulgados pela companhia.

A isenção de impostos é somente válida para os tablets produzidos no País, que é o caso dos fabricantes Semp Toshiba, Samsung, Motorola, Positivo e Aix.

“É um produto muito novo, que começou a ser produzido no Brasil apenas neste ano. As empresas estão incorporando os itens ao processo produtivo agora. Processo que demora de seis a nove meses para ser aprovado”, explica o assessor da área de informática da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), Anderson Jorge.

Apesar de ter valor de lei desde sua publicação no Diário Oficial, a Medida Provisória (MP) que foi aprovada na Câmara dos Deputados na última terça-feira ainda será analisada pelo Senado Federal.

“Esperamos que a medida seja sancionada pelo governo federal ainda na primeira semana de outubro. Após isso, o benefício fiscal será implementado de forma mais ampla no varejo”, diz Jorge.

Mais reduções
Além da isenção do PIS e Cofins, determinada pela MP 534, os tablets já contam com a redução no Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), de 80% e do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), de 82% – válida ainda para notebooks e desktops, de acordo com a Lei de Informática.

A isenção e diminuição de todos esses tributos juntos é justamente o que permite o recuo de até 30% no valor do produto previsto pelo Palácio do Planalto. “Embora considere que este desconto será atingido por conta da competição entre os fabricantes”, afirma Erick Vils, diretor da fábrica de softwares WebSoftware.