Sites personalizam de roupa à granola

O consumidor que tem dificuldade em encontrar uma roupa que caia bem ou busca um produto individualizado encontra opções em sites especializados e tem ainda a comodidade de receber tudo em casa

Redação

15 de dezembro de 2011 | 23h14

GISELE TAMAMAR

Comprar uma camisa ou uma calça sob medida, escolher o desenho no tênis ou até mesmo os ingredientes da granola. E pela internet. Adquirir produtos personalizados via lojas virtuais é uma tendência que ganha espaço. O consumidor que tem dificuldade em encontrar uma roupa que caia bem ou busca um produto individualizado encontra opções em sites especializados e tem ainda a comodidade de receber tudo em casa.

Para Eduardo Marques, especialista em marketing e planejamento digital, o mercado de produtos customizados só tende a aumentar. “No caso das roupas, algumas pessoas não compram pela internet com medo da peça não servir. Com as lojas que personalizam seus moldes, as probabilidades de errar na compra e se frustrar são mínimas”, afirma.

O administrador de empresas Fábio Maluf, de 34 anos, comprou calça jeans sob medida. “Tenho dificuldade para achar uma calça que eu goste e também não tenho paciência para ficar experimentando roupas”, conta Maluf, que já comprou cinco calças na loja virtual Saint Tailor.

A proprietária da loja, Eliane Van Der Neut, diz que muitos homens têm problemas para encontrar uma calça por causa da altura, situação comum entre os clientes. Para comprar o consumidor pode escolher entre os modelos disponíveis no site, enviar uma foto ou até mesmo um modelo que não encontra mais nas lojas. No site, as calças variam de R$ 198 a R$ 228.

Camisas
A customização também pode ser feita em camisas. A Kaffè oferece opções masculinas de R$ 170 (fio 50) a R$ 270 (fio 120). Por causa da dificuldade das pessoas em tirarem as suas próprias medidas, um funcionário da loja vai até o cliente em São Paulo na primeira compra para fazer a medição.

“A profissão de alfaiate está em extinção, mas a demanda não acaba. Resolvemos profissionalizar o serviço”, afirma o sócio-diretor da Kaffè, Gabriel Storalli. A empresa faz testes para entrar no mercado feminino.

A personalização não fica apenas nas roupas. É possível escolher os ingredientes da granola. “Quando fui definir uma fórmula para o varejo todo mundo dava palpite: mais aveia, ‘não gosto de uva passa’… Não dá para fazer uma fórmula que agrada a todo mundo. E na internet, o consumidor escolhe o que quiser”, explica a proprietária da Monama, Camila Brennand Fortes.

É o que faz Fernanda Nascimento Pedreira, de 26 anos, gerente de uma empresa de tecnologia e serviços financeiros. “Morei nos Estados Unidos, onde sempre achei com mais facilidade opções de granola e de itens orgânicos, por isso quando bati o olho no produto achei super inovador e divertido”, conta Fernanda.

O consumidor também encontra sites para escolher o desenho no tênis, montar brincos, colares e pulseiras em ouro ou prata e também aplicar cristais Swarovski em um jogo para sobremesa da Tramontina.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.