Turista brasileiro gasta 32% mais no exterior

Só a China teve aumento maior de gastos no ano passado; País está perto de entrar no ‘top 10’ do turismo mundial

danielsilva

17 de janeiro de 2012 | 15h21

Jamil Chade

Em plena crise internacional, os turistas brasileiros dobraram seus gastos pelo mundo e, em 2011, ocuparam a segunda colocação entre os que mais expandiram seus gastos entre todas as nacionalidades. Dados da Organização Mundial do Turismo mostram que os brasileiros já estão próximos de entrar na lista das dez nacionalidades que mais gastam ao sair em viagem.

Entre 2010 e 2011, os brasileiros aumentaram seus gastos no exterior em 32%, taxa superada apenas pelos chineses (38%). A taxa de expansão do dinheiro deixado pelo mundo pelos brasileiros é mais de seis vezes superior ao crescimento dos gastos de americanos e europeus.

Em 2010, os turistas brasileiros gastaram US$ 16,4 bilhões. Em 2011, até outubro, o valor já havia sido um terço superior. Na avaliação de John Kester, economista da entidade, os gastos de brasileiros em 2011 devem ficar acima de US$ 21 bilhões. Em comparação com o ano de 2008, quando a crise mundial eclodiu, os gastos dobraram, em uma expansão similar à dos indianos.

“O Brasil ocupava até 2010 o vigésimo posto entre as nacionalidades que mais deixavam dinheiro ao viajar para o exterior. Em 2011, o País deve se aproximar dos dez maiores”, disse Kester. A nova classificação ficará pronta em abril.

Não por acaso, lojas pela Europa já colocam funcionários que falam português, estações de esqui abrem aulas dedicadas a brasileiros e operadoras organizam viagens de fim de semana para compras em cidades americanas. A valorização do real ajudou, mas não foi a única razão para o aumento. A alta do custo de vida no País e a maior renda também levaram turistas a optar por compras no exterior.

A expansão dos gastos de brasileiros no exterior é superior à expansão dos gastos de estrangeiros no Brasil, que ficou em 15% no ano passado.

Líderes
A liderança em gastos de turistas é ainda da Alemanha, com US$ 78 bilhões. A segunda colocação é ocupada pelos turistas americanos, com US$ 76 bilhões. A China, em plena expansão, ocupa a terceira colocação, com US$ 55 bilhões, já superando o Reino Unido, França, Canadá, Japão, Itália e Rússia.
Segundo a OMT, não foram apenas os gastos por pessoa que aumentaram. No geral, o número de turistas brasileiros aumentou em pelo menos 10%, contra a alta de 4% da média mundial.

Em 2012, pela primeira vez, o número de turistas pelo planeta deve atingir a marca de 1 bilhão, ainda que a expansão seja menor do que se previa. O número de viajantes dobrou ao longo dos últimos 18 anos. Segundo a entidade, o turismo responde atualmente pelo equivalente a 5% do PIB mundial.

Na Europa, o crescimento do turismo foi de 6% em 2011, contra 10% na América do Sul e no Brasil. As turbulências políticas no Oriente Médio e no Norte da África afastaram os turistas de locais como Egito e Tunísia. No total, a região perdeu 7 milhões de visitantes em 2011. Na Europa, a expansão foi de 28 milhões de pessoas.

O estudo aponta que a América do Sul recebeu 54 milhões de turistas, contra 100 milhões dos Estados Unidos. No entanto, a entidade aponta que serão justamente os turistas de países do Brics que comandarão a expansão do setor nos próximos 20 anos, quando o mundo terá 1,8 bilhão de turistas.

Os países emergentes não serão apenas emissores de turistas. Por ano, essas regiões verão um aumento de 30 milhões de visitantes, em média.