Microempresa fatura menos

O melhor desempenho ficou com o setor de serviços, que faturou 7,5% a mais, seguido pelo comércio, 3,3% maior ante 2010. A indústria, no entanto, sofreu queda de 0,5% nesse indicador. Os números são do Sebrae-SP.

danielsilva

17 de fevereiro de 2012 | 08h18

LIGIA TUON

Pequenas e microempresas faturaram menos em 2011. Houve uma alta de 3,8% ante o ano anterior, porém, o ritmo de expansão em 2010 havia sido bem maior, de 9,6%. O melhor desempenho ficou com o setor de serviços, que faturou 7,5% a mais, seguido pelo comércio, 3,3% maior ante 2010. A indústria, no entanto, sofreu queda de 0,5% nesse indicador. Os números são do Sebrae-SP.

Mas apesar da desaceleração, especialistas consideram que 2011 foi um ano bom para o segmento no geral. “As micro e pequenas ainda vivem o reflexo da melhora da renda da população, que levou ao aumento do consumo no mercado interno e à alta do emprego”, analisa Pedro Gonçalves, consultor do Sebrae-SP.

No caso de serviços, o que impulsionou o setor mais do que comércio e indústria, além da renda do brasileiro, é a falta de concorrência por importações. “Não dá para importar serviços como importa-se produtos. Restaurantes, lavanderias, advogados e bares ganham com isso”, diz Gonçalves.
A expectativa para comércio e serviços é que o avanço do faturamento seja menor este ano. “A inércia pelo bom momento na economia vai diminuindo”, analisa o professor José Eduardo Balian, que leciona administração na Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM).

A indústria é a área que mais sofre, principalmente com as importações. “A concorrência com importados, com o real valorizado, é desleal para o microempresário”, diz Joseph Couri, presidente do Sindicato da Micro e Pequena Indústria do Estado de S. Paulo (Simpi). O nível de concessão de crédito e o custo do empréstimo também prejudicam o setor.

“Mesmo com a Selic em queda, o custo do crédito é muito pesado para a pequena indústria. Junto a isso, os bancos já estão mais restritivos por conta da crise externa”, afirma Couri. Com menor capacidade para financiar, os investimentos da indústria se limitam. Para ele, ainda é cedo para tentar prever o futuro da indústria. “Vai depender das ações do governo em relação aos importados e se os bancos ainda irão ser influenciados pela crise externa”, ressalta.

O professor Balian enxerga um cenário um pouco mais otimista. “Não esperamos um crescimento grande para a indústria, mas o setor pode chegar a 2% em 2012. Isso porque a importação deve ser menor em reflexo de uma desvalorização do real. Além disso, as empresas têm reagido, procurando produtos novos para concorrer com os importados.”

Ter um diferencial também ajuda o empresário que trabalha com serviços e comércio a manter seu faturamento, independentemente da queda no ritmo de crescimento do setor. Foi essa a avaliação de Rodrigo Graça, proprietário da Heart Life Telemedicina, empresa especializada em laudos médicos digitais. O faturamento do empresário cresceu cerca de 60% em 2011. “Prestamos serviço para empresas e laboratórios. A grande ideia foi diminuir o tempo entre o envio de exame por parte do nosso cliente e o resultado, de modo que ficássemos mais rápidos do que nossos concorrentes.”

Segundo Gonçalves, do Sebrae, o segredo, além de inovar, é conhecer o mercado. “Se o empresário souber responder as perguntas: o mercado está em crescimento? Posso vender mais no crediário? Meu público está com maior poder de compra?, suas chances de sucesso crescem.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.