Apple lança iPad menor para concorrer com tablets do Google e da Amazon

Apesar de ser a líder absoluta em vendas de tablets no mundo, empresa fundada por Steve Jobs começa a ver concorrentes ganhando espaço com produtos menores e mais baratos, e se mexe para não dar chance de crescimento aos rivais

Redação

24 de outubro de 2012 | 06h00

Gustavo Chacra
CORRESPONDENTE / NOVA YORK

A Apple apresentou ontem seu novo tablet, o iPad Mini, uma versão reduzida do iPad, líder absoluto desse mercado. Também foram exibidos os novos modelos de computadores e laptops da linha Mac, fabricados pela empresa fundada por Steve Jobs, que atualmente tem o maior valor de mercado do mundo.

“O iPad é o tablet mais vendido do mundo, mas não queremos tirar o nosso pé do acelerador”, disse Tim Cook, presidente da Apple, ao se referir ao produto com quase 100 milhões de unidades vendidas em dois anos. “Você pode carregá-lo na palma da mão. E este não é apenas um iPad reduzido. Todo o design é novo”, acrescentou o sucessor de Jobs.
A introdução do iPad Mini ocorre em meio ao aumento da concorrência neste setor ainda dominado pela Apple, um dos que mais cresce na área da tecnologia. Nesta semana, a Microsoft apresentará oficialmente o Surface, seu tablet que traz o novo sistema operacional Windows 8, além de ser o único com um teclado acoplado no formato de capa.

Com 7,9 polegadas, espesso e bem mais leve do que o original, de 9,7 polegadas, o novo aparelho terá o preço de US$ 329 na sua versão mais barata, de apenas 16 GB de memória. Os mais caros, que operarão em 4G e terão 64GB de memória, terão um custo adicional de US$ 129.

Todos os aplicativos existentes no iPad funcionarão normalmente no iPad Mini. E a versão do último iPad também foi remodelada, com um processador mais veloz e um cabo de conexão similar ao do iPhone 5 – o mesmo se aplica à versão Mini.

Ao introduzir o já antecipado iPad Mini, a Apple segue a tendência dos concorrentes. O Google, por exemplo, já conta com o Nexus 7, um tablet com tela de sete polegadas e que custa a partir de US$ 199 nos Estados Unidos. Nesse mesma faixa de preço está o Kindle Fire, da Amazon, também com tela de sete polegadas e preço a partir de US$ 199. A Samsung, maior rival da Apple no mundo, também conta com um tablet de sete polegadas.

Novo público
Steve Jobs, quando era vivo, dizia ser contra as versões menores dos tablets. Ao longo do último ano, porém, a Apple observou que o público passou a buscar cada vez mais esses aparelhos um pouco menores do que o iPad, e a empresa avaliou ser o momento de bater de frente com as rivais, antes que uma delas se transformasse em uma ameaça.

Na avaliação de analistas de Wall Street, o objetivo da Apple não é tanto ter lucros com o novo iPad Mini. O foco será impedir que as rivais vejam as suas fatias de mercado aumentarem, da mesma forma que ocorreu no mercado de celulares.

Apesar dessa crescente concorrência, Tim Cook argumentou no evento que os consumidores não tinham tanto interesse em tablets rivais, já que 91% do tráfego na web por meio desses dispositivos vêm do iPad. Destacou, ainda, que 94% das empresas que estão na lista das 500 maiores empresas dos Estados Unidos usam iPad.

Somar a esse cenário o iPad Mini, portanto, é considerada uma estratégia certeira. O site de tecnologia All Things D lembra que Google e Amazon têm feito tablets menores cada vez mais atraentes para o consumidor (ainda que não pareçam afetar as vendas do iPad). “Não há motivo para permitir que eles tenham o mercado de ‘mini iPads’ só para eles.”

O lançamento do iPad Mini acontece semanas depois de a Apple lançar o iPhone 5. Como no caso do iPad, a empresa seguiu a tendência de concorrentes na determinação do tamanho, pois o Galaxy S-III, um sucesso de vendas da Samsung, já possuía dimensões maiores.

Diferentemente do que ocorre no mercado de celulares, onde enfrenta competição e não lidera as vendas, ficando atrás da Samsung, a Apple ainda se mantém soberana no mercado de tablets.

No evento de ontem na Califórnia, o iPad Mini não foi a única novidade. Embora cada vez mais concentrada nos aparelhos móveis, a Apple lançou a sua nova linha de computadores. O iMac foi um dos destaques por ser 80% mais fino e quase quatro quilos mais leve do que a sua versão anterior. O MacBook Pro, de 13 polegadas, terá uma tela retina de alta resolução, similar às do iPad e do iPhone.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.