Tom Cavalcante de volta ao palco

O humorista foi a Las Vegas buscar inspiração para ‘No Tom do Tom’, show de humor em formato de musical americano que estreia quinta-feira na capital, mas não esqueceu suas imitações bem brasileiras

Redação

27 de maio de 2011 | 23h00

ALINE NUNES

Não importa a época ou o tempo disponível para as férias: duas vezes no ano, o comediante Tom Cavalcante, 49 anos, faz as malas e embarca com a mulher e os três filhos para Las Vegas. A cidade dos Estados Unidos, famosa por jogos e badalação, estimula o apresentador da Record. Ele diz que os brinquedos radicais, os hotéis temáticos e os arranha-céus, que enchem os olhos dos turistas, mexem com sua imaginação.

Não por acaso, foi lá que buscou inspiração para, depois de quatro anos, voltar aos palcos brasileiros com um show de humor.

O No Tom do Tom, que estreia em São Paulo na próxima quinta-feira, no Citibank Hall, segue o formato americano de musicais. Mas, como Cavalcante diz, tem “aquele tempero brasileiro”. Nesse caso, as clássicas imitações de seus 19 anos de carreira e uma banda de cinco músicos, dirigidos por Eduardo Lages, há 34 anos o maestro que acompanha Roberto Carlos.

A política, como de praxe, tem participação especial no show. Entre os “comícios” do espetáculo, desfilam a presidenta Dilma Rousseff, Luiz Inácio Lula da Silva, o deputado federal Tiririca (PR-SP) e o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab. E como a nova tendência das urnas é ter uma celebridade afiliada como candidato, Cavalcante tratou de incluir isso no script político da apresentação.

Num desfile de estrelas da TV, Marília Gabriela leva uma de suas mãos ao rosto, move seus óculos de grau e pede votos para 2014. Em seguida, Renato Aragão tenta cativar os seus eleitores: “Ô, da poltrona”. Os personagens e os bordões usados por Cavalcante não são novos, mas o tratamento dado ao espetáculo é, segundo ele, inédito. “Há quatro anos, estou pensando em tudo para montar esse show. O problema é que sou muito detalhista”, diz.

Para criar o novo show, primeiro desembarcou em Las Vegas com sua equipe, conferiu espetáculos por lá e no Brasil. Após ver A Gaiola das Loucas, do amigo Miguel Falabella – eles trabalharam em Sai de Baixo (1996 a 2002) –, tomou coragem de colocar a produção no palco.

Ator e diretor

Com a decisão tomada e detalhes definidos – como o repertório e o figurino dos músicos da banda –, o comediante iniciou os ensaios. Há um mês, das 14h às 21h, diariamente, ele treina os personagens.

Entre eles, as imitações dos artistas Maria Bethânia, Fagner, Roberto Carlos e a interpretação clássica do bêbado João Canabrava. Esse, aliás, era um papel que Cavalcante queria ter deixado de fora do espetáculo, mas no final voltou atrás. “É como o Roberto Carlos, que trezentas mil vezes precisa cantar Detalhes. Não tem jeito”, diz.

Apesar de ser a estrela do espetáculo e ter de treinar coisas como voz e desenvoltura no palco, o artista não se desliga da função de diretor. E é na experiência que teve ao trabalhar com nomes como Daniel Filho, Maurício Sherman, Jorge Fernando e Dennis Carvalho – que o dirigiu no humorístico Sai de Baixo, na Globo – que Cavalcante encontra bagagem.

Aliás, essa maneira de se comportar é também resultado de uma jornada de sete anos que Tom Cavalcante tem feito na Record. No programa Show do Tom, no ar às segundas-feiras, às 23h15, ele dirige, atua, faz a redação final dos personagens e escala humoristas por todo o Brasil. Não raro, ele está trabalhando em pleno domingo, no meio da madrugada.

Apesar do ritmo intenso, o humorista diz que consegue relaxar. A academia é um dos seus escapes. Em dias normais, ele dedica ao menos 1 hora aos exercícios físicos. “Agora, com a peça, só consigo malhar durante uns 20 minutos”, conta.

As reuniões em casa, para receber amigos do circuito artístico, também servem de distração. “Esporadicamente, gosto de recebê-los para tomar um uísque, uma cervejinha, jogar conversa fora”, diz. E nessa correria, Las Vegas só pode servir de inspiração.

Serviço:

No Tom do Tom – Citibank Hall. Av. Jamaris, 213, Moema, São Paulo. Tel. 4003-5588. Dias 2, 8, 15, 22 e 29 de junho. R$ 50 a R$ 150