Jornal da Tarde: Telefone mais caro que um carro zero

Jornal da Tarde: Telefone mais caro que um carro zero

Edmundo Leite

17 de dezembro de 2021 | 19h16

Imagine pagar  135 mil reais por uma linha telefônica. Era isso o que mostrava a manchete do Jornal da Tarde de 18 de julho de 1989.

Com o título “Um telefone, mais caro que um carro zero”, o jornal anunciava o levantamento do valor das linhas telefônicas no mercado paralelo ao da estatal Telesp em todos os bairros de São Paulo.

“Uma linha residencial em Campo Belo está valendo no mercado paralelo NCz$ 21.716,00 – praticamente o mesmo que um Monza SLE 2000. No primeiro semestre deste ano, os telefones valorizaram cerca de 370% convertendo-se em um dos melhores investimentos da atualidade”, dizia o texto complementar.

O Monza, da GM Chevrolet, era um dos carros mais caros disponíveis na indústria automotiva brasileira naquela época. O valor atual de R$ 135 mil da linha telefônica foi convertido com o índice Estadão, que calcula preços antigos baseados em quantos exemplares do jornal era possível comprar no passado e no presente.

Acervo Estadão | acesse todas edições desde 1875

Tudo o que sabemos sobre:

telefonia

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.