Briga de Polícia

Estadão

19 de maio de 2010 | 07h22

Bruno Lupion, do estadão.com.br – Foto: JB Neto/AE

Dentro de um repórter da madrugada, deve existir sempre um repórter policial. Pois a maioria dos fatos que viram notícia, nesse período do dia, são crimes: homicídios, estupros, chacinas, tráfico e por aí vai.

Faz parte do cotidiano entrevistar policiais e aprender sobre seu ofício, e muitos deles são vocacionados e equilibrados para a função. Mas, como em toda corporação, problemas acontecem. Ainda mais quando são duas corporações, obrigadas a trabalhar juntas.

Nos Estados brasileiros, a Polícia é dividida: a Militar é responsável pela prevenção e repressão dos crimes, e a Civil toca a investigação. Há rusgas entre ambas, que às vezes ficam mais claras. Como na madrugada desta terça-feira, 18.

JB Neto/AE

Policiais militares flagraram, no centro de São Paulo, homens carregando um caminhão com máquinas caça-níqueis. Decidiram apreender a carga e encaminhá-la para o 3º DP, órgão da Polícia Civil que abrange a região. Chegando lá, porém, os policiais ouviram do delegado plantonista que ele não iria receber aquela ocorrência. Os policiais insistiram, e ele manteve a recusa.

Indignados, os PMs levaram a carga apreendida para a porta da Corregedoria da Polícia Civil, na Rua da Consolação. Reclamavam, sob anonimato, que não era a primeira vez que aquele delegado se negava a registrar uma ocorrência apresentada por eles.

O delegado também foi à Corregedoria e, por sua vez, argumentou que não havia crime para ser registrado, pois aquelas máquinas caça-níqueis estavam desativadas e armazenadas sob ordem de um juiz. Disse ainda que havia sido constrangido pelos policiais e que apresentaria uma medida administrativa contra eles, na Corregedoria da Polícia Militar.

Uma dezena de repórteres, de veículos diferentes, se interessou e foi atrás da história da apreensão. Mas, no final das contas, o que tivemos foi uma briga entre Polícias.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.