Dura até acabar

carloseduardogoncalves

05 Fevereiro 2015 | 15h16

É muito frequente o emprego de frases absurdas sem qualquer valor prático como “mas essa bolsa é boa mesmo?”, ao que o vendedor do outro lado invariavelmente responde “é, é sim, olha, pode confiar que vale a pena!”. Em que circunstância ele responderia “é, o senhor tá certo, por esse preço não vale não, ainda mais que ela rasga depois de um mês de uso”? Ainda assim, mesmo sabendo dessa obviedade, a gente sempre se pega falando algo do tipo para um vendedor. O motivo só pode ser psicológico, algo que ver no fundo no fundo com nossas mães hiper-protetoras e/ou nossos pais castradores.

Pois hoje eu fui comprar um guarda-chuva com o vendedor ambulante da faculdade e perguntei (culpa sua, mãe! culpa sua, pai!): “mas dura mesmo esse guarda-chuva, é realmente bom?” Ao que ele respondeu: “Dura, oh, dura sim. Dura até acabar”.

Dura até acabar foi a maior humilhação intelectual pela qual passei em toda minha vida.