HOMICIDIOS: desigualdade importa, mas nao explica Brasil