Kérastase lança tratamento de luxo para os cabelos

Estadão

26 de janeiro de 2011 | 21h34

 Caline Migliato

Os cabelos sofrem diariamente com a exposição excessiva aos raios UV e poluição, processos químicos, escovas e chapinhas repetitivas. Para tratar os fios desgastados, ressecados e extremamente frágeis, a L’Oréal buscou nas propriedades revitalizantes do caviar um tratamento que é uma verdadeira revolução: Kérastase Chronologiste.

A iguaria, naturalmente rica em aminoácidos essenciais, proteínas, ácidos graxos essenciais, oligoelementos e iodo teve suas propriedades reproduzidas por Kérasatase numa composição única:  o mimétique de caviar (não contem caviar na fórmula).

A reportagem da Revista JT testou o produto. O primeiro passo foi lavar os cabelos. Depois é preparada a mistura das pérolas de mimétique de caviar com nutrientes ativos com uma máscara creme  superenriquecida.

Essa mistura é aplicada diretamente na raíz dos cabelos como se fosse uma tintura. Depois essa mistura é puxada mecha a mecha até as pontas dos cabelos para que o creme penetre na estrutura dos fios. São feitas duas pausas: uma de 7 minutos e outra de 5. Entre uma pausa e outra o cabelo recebe um pouco de água morna e uma massagem estimulante e relaxante. Finalmente o cabelo é enxaguado e escovado.

O resultado são fios nutridos, reconstruídos , macios, brilhantes, saudáveis e fortes desde a raíz.

O tratamento é feito exclusivamente em salões conselheiros da Kérastase e custa em média R$ 500.

Em São Paulo, o Kérastase Chronologiste é oferecido pelo MG Hair Design (Rua Estados Unidos, 1862 – Jardim América. Telefones: (11) 3068-9035 e  (11) 3061-1499). Mais informações podem ser obtidas pelo SAC da marca: 0800-701-7237.

Kérastase Chronologiste

1) Aplicação das pérolas de mimétique de caviar misturadas à máscara.

2) Pausa com touca por sete minutos

3) Emulsione levemente com água morna

4) Pausa por mais cinco minutos com massagens estimulante e relaxante

5) Enxágue abundantemente com água morna

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.