A batalha entre o gastador e o poupador

Daniel Fernandes

29 de novembro de 2010 | 12h09

Nossas contas correntes ficam mais recheadas a partir de amanhã, dia 30, quando as empresas devem por lei depositar a primeira parcela do 13º salário – aquela que contempla a metade do salário sem os descontos do nosso sócio maior (governo).

As tentações para gastá-lo são muitas. Para quem não sabe, foi lançado em DVD e Blu Ray os dez capítulos da série The Pacific, que narra os combates da Segunda Guerra Mundial…no Pacífico. A série é prima/irmã de Band Of Brothers, que mostrava a segunda grande guerra a partir do desembarque das tropas aliadas na Normandia, no que ficou configurado como o Dia D. Em uma só palavra: ESPETACULAR!!!

Mas não é apenas esse DVD que eu queria comprar. Tem o novo do Arnaldo Antunes, que gravou um disco na varanda da sua casa, uma caixa do Nirvana que há tempos eu desejo e, finalmente, a nova edição do Pro Evolution Soccer.

É bem capaz que eu não aguente e acabe comprando um ou dois produtos desta (pequena) lista de desejos.

Mas a maior parte do dinheiro vai parar na poupança mesmo. E garanto para vocês, é a melhor decisão do momento. Vamos ter milhares de contas para pagar no começo do ano, as taxas de juros voltaram a subir em outubro, segundo o Banco Central, e a inflação está subindo, meus caros. Sei não se o ano que vem vai ser tão próspero quando 2010.

Na dúvida, é melhor poupar…..

E aí, vou aplicar a fórmula simples e que dá certo.

Controle todos os gastos em uma planilha. TODOS. Do cafezinho na padaria do Português lá perto de casa (original, não?) até os gastos com supermercados, almoços e jantares fora de casa e outros itens de diversão, como cinema. Manter essa planilha atualizada, com o valor real que você pode gastar no mês após o pagamento dos gastos fixos, ajuda a economizar.

Vai ser uma batalha, talvez, pior do que aquelas da Segunda Guerra Mundial. Nos últimos meses, desenvolvi o hábito de ser um gastador! Na verdade, não sai por aí fazendo loucuras. Mas digamos que me permite não poupar um centavo nos últimos três, quatro meses. O que para mim, acreditem, é uma espécie de recorde mundial.

Mas agora estou de volta ao campo de batalha mental. Lá, se enfrentam os meus neurônios gastadores e os poupadores.  E vai ser uma batalha e tanto!

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.