Quando alguém pede alguém em casamento

Daniel Fernandes

24 de maio de 2010 | 09h29

Daniel Fernandes

No fim de semana, resolvi fazer um passeio de turista pelo centro com a minha namorada. O argumento definitivo foi dado por um amigo nosso: ‘Morar em São Paulo e não conhecer o Terraço Itália é como morar no Rio de Janeiro e não conhecer o Cristo Redentor”.

Desconfiei que um passeio pelo Cristo me sairia bem mais barato. Mesmo assim, lá fomos nós conhecer o super tradicional bar e restaurante.

Logo de cara, optamos pelo Piano Bar, não pelo restaurante. Trabalhamos, temos dinheiro e um pouco de extravagância não faz mal a ninguém. Mesmo assim, jantar no restaurante panorâmico seria um pouco demais para nossos bolsos.

Além disso, o Piano Bar do Terraço Itália parece ser mais animado. Tá bom, parece ser mais animado que o restaurante.

É incrível a vista. Três janelas panorâmicas em que você consegue ver boa parte da cidade. Mas você percebe que o lugar é alto, mas alto mesmo, quando nota que os helicópteros cortam os céus da cidade quase no mesmo nível das janelas do bar.

O passeio é legal. Mas vá com os bolsos cheios. Uma cerveja long neck não sai por menos de R$ 9. Um drinque, sai por cerca de R$ 22. E o mais ‘legal’: o couver do pianista – é um piano bar, oras! – custa R$ 17. Ao todo, gastei R$ 100 sem muito esforço. sem nenhum esforço, diria.

Vá preparado, também, para situações que devem ser comuns aos garços, mas não para os frequentadores de primeira viagem como eu e minha namorada.

Percebi a chegada do casal. Eles se sentaram na mesa bem a frente da nossa. O cara fez o papel de cavalheiro: puxou a cadeira para a moça, a acomodou bem e só depois se sentou. Pediu um vinho branco, que chegou rapidamente.

Minutos depois, assim, do nada, ele pediu a moça que se sentasse ao seu lado. Comecei a achar aquilo estranho. Mas rapidamente eu saquei: ele retirou uma caixinha do bolso e fez o pedido. Só pode ter sido um pedido de casamento. Ali, bem na minha frente, coisa de meio metro de distância.

A moça começou a chorar. E eu acho que isso indicava um SIM à proposta do rapaz. Não houve festa, garçons batendo palmas, apertos de mãos de desconhecidos e abraços fora de hora. Tudo parecia normal.

Mas naquele momento: alguém tinha pedido alguém em casamento. Tomara que eles possam ser felizes. Não vai ser fácil!!!!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.