Abbas pede que Hamas seja derrubado em Gaza

Presidente de Autoridade Palestina defende queda de facção rival pela primeira vez.

PUBLICIDADE

Por BBC Brasil
1 min de leitura

O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, pediu nesta quinta-feira que o grupo islâmico Hamas seja derrubado do poder na Faixa de Gaza. "Temos que derrubar este grupo que assumiu o controle da Faixa de Gaza pela força e está usando o sofrimento e tragédias de nosso povo para servir a seus interesses", afirmou o líder palestino. "Nosso povo só está recebendo de volta atos criminosos e o agravamento do cerco de Israel." Esta foi a primeira vez que o presidente da Autoridade Palestina pediu explicitamente a queda do Hamas. Antes das declarações desta quinta-feira, Abbas havia apenas exigido um pedido de desculpas do Hamas por tomar o controle da Faixa de Gaza e a devolução ao movimento Fatah do controle das forças de segurança na região. O Hamas tomou o controle da região que era administrada pelo Fatah, movimento de Abbas, em junho, após uma série de confrontos entre as duas facções rivais. Um porta-voz do Hamas na Faixa de Gaza, Sami Abu-Zuhri, disse que o presidente palestino deveria tentar a reconciliação com o Hamas. "As observações do presidente palestino são perigosas", afirmou. "Elas reafirmam que o presidente palestino não está interessado em acordo com o movimento Hamas e que ele é, primeira e diretamente, responsável pelas tensões entre os palestinos." Na última segunda-feira, sete membros do Fatah foram mortos em um confronto com forças de segurança do Hamas durante uma manifestação na Faixa de Gaza para homenagear Yasser Arafat, o líder palestino morto em 2004. Depois do protesto de membros do Fatah na cidade de Gaza, o Hamas reforçou suas posições para garantir o controle da estreita faixa de terra próxima à costa. Em um outro incidente, forças de Israel mataram dois militantes palestinos e feriram outras três pessoas no norte da Faixa de Gaza. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.