Bomba mata 14 soldados do Paquistão

PUBLICIDADE

Por Redação
1 min de leitura

Uma bomba matou cerca de 14 soldados paquistaneses na região da fronteira norte do Waziristão do Norte neste domingo, disseram oficiais militares, um dia após o líder talibã paquistanês pedir o fim dos ataques contra os militares na área. A explosão ocorreu em uma estrada de cerca de 50 quilômetros ao sul da capital da província de Miranshah. Vinte e um soldados ficaram feridos no ataque, informaram ainda oficiais. No sábado, Hakimullah Mehsud, o líder do Talibã paquistanês, tinha circulado um panfleto pedindo o fim dos ataques pouco frequentes do Talibã sobre soldados paquistaneses no Waziristão do Norte, onde se encontram milhares de soldados paquistaneses. O cessar-fogo não se aplica ao resto do país, onde muitas vezes há confrontos ferozes entre os talibãs e serviços de segurança. A região montanhosa tribal do Waziristão do Norte ao longo da fronteira com o Afeganistão é um reduto chave do Talibã e da al-Qaeda. Waziristão do Sul está sob o controle da tribo Wazir, que tem um acordo de paz com os militares paquistaneses. Não ficou claro se o folheto foi relacionado a rumores de racha no movimento. Apelou combatentes locais e estrangeiros para se unir, porque "o inimigo está tentando dividir e nos governar". O Talibã formou alianças com uma série de outros grupos militantes no Waziristão do Norte, que são fortemente contrários ao Estado paquistanês.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.