Confiança da indústria mostra aumento de 1,0% em outubro--FGV

PUBLICIDADE

Por Redação
1 min de leitura

O Índice de Confiança da Indústria (ICI) avançou 1,0 por cento em outubro em relação ao que foi registrado no final do mês anterior, ao passar de 105,0 para 106,0 pontos, maior nível desde junho de 2011, informou a Fundação Getúlio Vargas nesta segunda-feira. O Índice da Situação Atual (ISA) avançou 1,7 por cento, para 106,8 pontos, o maior patamar desde julho de 2011. Já o Índice de Expectativas (IE) melhorou 0,3 por cento, para 105,2 pontos,permanecendo acima da média histórica recente. "Os resultados sinalizam a continuidade da recuperação gradual no ritmo de atividade do setor industrial", afirmou a FGV. O indicador que avalia o nível de estoques foi o que mais contribuiu para a alta do ISA. A proporção de empresas com estoques excessivos recuou de 6,1 para 5,6 por cento em outubro, enquanto a de empresas com estoques insuficientes aumentou de 2,1 para 4,1 por cento. De acordo com a FGV, este resultado é compatível com um quadro de normalidade de estoques na média da indústria. Já o indicador de expectativas sobre a contratação de mão de obra nos meses seguintes teve o maior impacto sobre o IE no mês, com uma alta de 1,7 por cento em relação a setembro, ao passar de 109,9 para 111,8 pontos. Entretanto, esse indicador continua em nível relativamente baixo, mostrando que o ritmo de contratações da indústria ainda não foi fortemente influenciado pela aceleração da atividade do setor nos últimos meses, destacou a FGV. A proporção de empresas que esperam aumentar o total de pessoal ocupado passou de 20,3 para 24,5 por cento, enquanto a parcela das que esperam diminuir a contratação também aumentou, de 10,4 para 12,7 por cento. O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) alcançou 84,2 por cento em outubro, o maior patamar desde junho de 2011, ante 84,1 por cento em setembro. O desempenho melhor do setor industrial vem ajudando na recuperação da atividade econômica do segundo semestre, depois de um começo de ano sem brilho afetado pela crise internacional. A produção industrial brasileira subiu em agosto 1,5 por cento frente a julho, no melhor resultado desde maio de 2011. E em setembro a indústria de transformação liderou a geração de novos postos de trabalho na economia brasileira. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística divulga na quinta-feira os dados da produção industrial de setembro. (Por Camila Moreira)