PUBLICIDADE

Darfur: Sudão e rebeldes discutirão paz em outubro

ONU e Cartum anunciaram negociações; principal grupo não participará.

PUBLICIDADE

Por BBC Brasil
Atualização:

O governo do Sudão e rebeldes que atuam na região de Darfur, no oeste do país, irão retomar no dia 27 de outubro, na Líbia, as negociações de paz, anunciaram nesta quinta-feira a ONU e o governo sudanês. O anúncio foi feito depois de uma reunião entre o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, e o presidente do Sudão, Omar Al-Bashir, na capital do país, Cartum. "O governo do Sudão promete contribuir positivamente para a segurança do ambiente das negociações, cumprindo seu compromisso com um completo abandono das hostilidades em Darfur e acordado em cessar-fogo", diz uma mensagem divulgada após o encontro. A negociação, no entanto, não terá a participação do maior grupo rebelde de Darfur, o Movimento de Libertação do Sudão (MLS). Em entrevista à BBC, o líder do grupo, Abdul Wahid El-Nur, disse que o Movimento não irá dialogar enquanto a violência continuar em Darfur. "Nós não iremos à Líbia negociar a menos que possamos garantir a segurança de nosso povo. Este é um processo fracassado e o MLS não é um movimento que fracassa", disse. Cerca de 200 mil pessoas já morreram e dois milhões tiveram que deixar suas casas em razão do conflito em Darfur desde 2003. O conflito opõe o governo sudanês - acusado de apoiar milícias muçulmanas, chamada Janjaweed, que atacaram vilarejos de Darfur - e rebeldes contrários ao governo de Cartum. Um acordo de paz foi assinado no ano passado. O governo sudanês respaldou o tratado, mas apenas um grupo rebelde de Darfur assinou o documento. Menos de seis mil soldados de uma força de paz da União Africana estão na região, mas o secretário-geral da ONU anunciou que pretende ampliar esse contingente para 26 mil, incluindo soldados das Nações Unidas. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.