PUBLICIDADE

Estudante atacado por PM, em GO, respira sem auxílio de aparelhos

Mateus Ferreira da Silva, de 33 anos, foi atingido na cabeça com um cassetete pelo capitão da Polícia Militar Augusto Sampaio de Oliveira

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:
Imagem mostra o momento em que o estudante Mateus Ferreira, da UFG, é agredido por policial durante protesto em Goiânia Foto: Luiz da Luz/O Popular

SÃO PAULO - O estudante de Ciências Sociais Mateus Ferreira da Silva, de 33 anos, atingido com um cassetete por um policial militar de Goiás, está consciente e respira sem auxílio de aparelhos, segundo boletim médico divulgado nesta sexta-feira, 5. Ele foi vítima de uma pancada na cabeça, desferida pelo capitão Augusto Sampaio de Oliveira, no final da manifestação nacional do dia 28, no centro de Goiânia. 

PUBLICIDADE

Silva continua internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo), com quadro de pneumonia. De acordo com o hospital o estudante encontra-se estável e sem sedação, mas continua sonolento. Não há previsão para novos procedimentos cirúrgicos, nem sessões de hemodiálise.

O golpe de cassetete provocou diversos traumas e foi necessário procedimento cirúrgico para refazer ossos que contornam o nariz e retirar parte do osso frontal (testa). Silva também fraturou a clavícula e precisa fazer reconstituição cirúrgica de membranas que protegem o cérebro. 

Afastamento. Na segunda-feira, 1º, a Polícia Militar do Estado de Goiás retirou do serviço de ruas o capitão Oliveira Neto filmado atingindo Silva. O PM permanece em funções administrativas dentro da corporação. 

A decisão pelo afastamento do policial ocorreu após a repercussão da agressão. Além de Silva, pelas redes sociais circulam imagens de quatro PMs batendo em uma jovem caída no chão. O próprio capitão é flagrado empurrando manifestantes.

O afastamento do oficial será por 30 dias enquanto durar um inquérito policial militar (IPM) cuja conclusão vai para o Poder Judiciário. O capitãojá havia sido denunciado por outras três agressões, uma delas envolvendo menores de 18 anos. Segundo a sua ficha funcional, o policial nunca sofreu uma punição, recebeu diversas condecorações e 34 elogios.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.